• bannerSitePSDM3jan2020.jpg

O Grupo Parlamentar do PSD entregou, hoje, na Assembleia Legislativa da Madeira, um voto de congratulação ao “Grupo de Cordas da Fajã da Ovelha” pelo seu 25º aniversário, nomeadamente todas e todos os que colaboraram para a sua evolução e trabalho, enaltecendo o seu contributo para a cultura popular e a sua mestria em juntar gerações em torno da música.

A Associação Cultural e Recreativa “Grupo de Cordas da Fajã da Ovelha” nasceu como oportunidade para jovens e menos jovens poderem aprender música e confraternizar, na freguesia da Fajã da Ovelha.

Com origem nos finais do século XIX, foi constituída, oficialmente, em abril de 1995, através de escritura pública, efetuada na Calheta, por treze sócios fundadores.

Dinamizada pela mão de um emigrante que regressou à sua terra natal, conhecido como Maestro Camacho, está intrinsecamente ligada à história e evolução de um povo que, entre as lides da casa, da agricultura ou do trabalhar o linho da terra, se uniu em torno da música, nas mercearias ou em casas particulares.

Aos poucos, a música que o Maestro Camacho ensinava, formava jovens em vários sítios da freguesia que, paulatinamente, foram passando a arte e os valores do Grupo, de geração em geração. Mais tarde, pelas mãos de Manuel Gomes Teixeira, o Grupo foi-se reunindo, nas antigas instalações da Delegação da Casa do Povo da Calheta, para ensaiar e aumentar o reportório, num trabalho que contou com a mestria de diversas gerações, e que contribuíu para que o mesmo fosse convidado para atuar em algumas festas locais.

Já na década de 90 do século XX, tendo como diretor artístico Jaime Andrade, o Grupo de Cordas da Fajã da Ovelha contemplava cordofones tradicionais, guitarra, acordeão, rajões, braguinha, bandolins, violino, guitarras acústicas, flauta transversal e até instrumentos de percussão.

Anos mais tarde, em 2006, já após a sua constituição enquanto associação, o Grupo foi convidado para integrar a Casa do Povo da Fajã da Ovelha, passando a chamar-se “Grupo de Cordas e Cantares da Casa do Povo da Fajã da Ovelha”.

Nesta alçada e continuando com o seu afinco e dedicação à música, tem sido convidado para animar vários arraiais populares, festas privadas, eventos públicos e tem participado em programas televisivos.

Foi igualmente, responsável pela organização do Encontro de Grupos de Música Popular e Tradicional, que teve lugar, anualmente, na Calheta, em agosto, com o intuito de divulgar e valorizar a Música Popular e Tradicional Portuguesa.

Além disso, conta com duas internacionalizações – a primeira consolidada em 2006, no Festival Internacional de Folclore em Ormesson, Paris, e outra em 2008, através de um intercâmbio musical com a “Orquestra Trovador”, que teve lugar em Saragoça, Espanha.

Nos seus espetáculos, o Grupo de Cordas e Cantares da Casa do Povo da Fajã da Ovelha tem apresentado novos temas, de entre um reportório que conta com mais de uma centena e que constam dos álbuns gravados, entre 2006 e 2013, nomeadamente: “Retratos da Minha Terra”, “Músicas Tradicionais e Populares da Madeira”, “Músicas Tradicionais e Populares da Madeira” e “Natal Madeirense”. Álbuns, estes, com a direção artística de Jaime Andrade e coordenação de Horácio Ramos.

Em 2013, o Grupo toma um novo rumo, perpetuando a finalidade de animar festas e romarias, divulgando e preservando, aqui e além-fronteiras, a riqueza e diversidade da música popular e tradicional.

Esta associação, a par de muitas outras no concelho da Calheta, têm promovido e valorizado o panorama cultural municipal, com o apoio imprescindível da Câmara Municipal, ao nível logístico e financeiro. Esta articulação e estes apoios têm permitido uma maior dimensão cultural da Calheta no plano regional, nacional e até internacional. É igualmente com estes apoios que tem sido possível a renovação de fardas, a aquisição de instrumentos e a gravação de CD´s, divulgando, preservando e perpetuando a nossa cultura popular regional para as novas gerações e para o futuro.