• bannerSitePSDM3jan2020.jpg

O líder parlamentar do PSD, Jaime Filipe Ramos, lembrou, hoje, na discussão da Conta da Região de 2018, que a Madeira foi "a única parcela do país que teve equilíbrio orçamental".

"Nem o Estado, nem os Açores. Por isso, a Conta da Região de 2018 foi boa. Foi boa porque o Governo Regional cumpriu o seu programa. Foi boa porque devolveu esperança e rendimento às famílias. A conta, claramente, vem dar cobertura à ação do Governo e às medidas que apresentou."

Jaime Filipe Ramos lembrou o crescimento económico registado, a redução da dívida da Madeira, em 1,4 mil milhões, relativamente aos últimos anos, o crescimento das empresas, em 4,2%, a diminuição do desemprego, que passou de 15,8%, em 2015, para 8,1% em 2018, o crescimento da receita fiscal e a redução dos impostos, assim como o crescimento do investimento público e a redução dos prazos de pagamento aos fornecedores

Ainda assim, o líder parlamentar reconhece que esta conta é uma "chatice" para alguns porque não há nada a apontar, não foram registadas quaisquer reservas pelo Tribunal de Contas. Mas admite também que podia ser melhor, se tivesse os três milhões que o Governo Regional teve de pagar pelo ferry prometido pela República, se tivesse os 20 milhões euros de poupança do PAEF ou se a Região não tivesse de se chegar à frente no Estudante Insular. "Esta Conta podia ser melhor se o PS tivesse assumido a sua responsabilidade", disse.

Responsável pela intervenção do PSD, neste debate, o deputado Carlos Rodrigues comparou as Contas de 2018 da Madeira, dos Açores e do país. Para uma delas, o Tribubal de Contas "não tem qualquer reserva, é um exemplo de rigor transparência e informação para os próprios contribuintes". Já as outras duas, "fruto da gestão do PS, parecem mais um elucidário de reservas de pareceres do Tribunal de Contas". "Tudo o que é possível apontar como reserva é apresentado aqui: omissão, manipulação, engano, erro, impossibilidade de certificação, impossibilidade de validação, sobrevalorização, subvalorização, ilegalidade".  

Apesar da avaliação positiva do Tribunal de Contas, sem qualque reserva a apontar, a Conta da Região de 2018 foi aprovada com os votos favoráveis do PSD e CDS e contra dos restantes partidos.