• bannerSitePSDM3jan2020.jpg

A deputada Rubina Leal lamentou hoje, numa intervenção antes da ordem do dia na Assembleia Legislativa da Madeira, a situação a que chegou a empresa FrenteMar e a situação dos mais de 100 trabalhores.

Contudo, curiosamente, o anúncio do encerramento da empresa surge depois de, "na semana passada, o partido socialista ter tentado dar lições de boa gestão e rigor orçamental ao Governo Regional". 

"O que vemos hoje é que onde esse mesmo partido socialista é poder, as palavras de ordem são: falência; dívida; prejuízos", disse a deputada, lembrando que a dívida da empresa ascende a 1 Milhão e 200 mil euros, sendo que um valor tão elevado só pode ser "consequência direta da má gestão, da irresponsabilidade e da incompetência do executivo municipal socialista".

"Já sabemos: a culpa é das vereações do PSD. A culpa é daqueles que lá estiveram antes. Este é o discurso usado pelo partido socialista. Mas, Sras. e Srs. Deputados, aqui é que é importante questionar: Não foi o executivo municipal Socialista que governou a CMF nos últimos 6 anos e 3 meses'; Não foi o executivo municipal Socialista que injetou naquela empresa milhares de euros, através da compra de ingressos?; Não foi o executivo municipal socialista que transferiu para a FrenteMarFunchal milhares de euros adicionais para indemnizações laborais?; Não foi com o executivo municipal socialista que aquela empresa municipal falhou, por várias vezes, o pagamento de salários e até de subsídios de Natal aos 116 funcionários?; Não foi este executivo municipal socialista que abdicou, em prol da FrenteMarFunchal, de 95% das receitas dos parquímetros, que correspondem a 1 Milhão de Euros anuais?; Não foi com o executivo municipal socialista que a FrenteMarFunchal teve uma dívida à Autoridade Tributária que levou à penhora de contas bancárias do Município?; Não foi este executivo municipal socialista que negou todos os pedidos de esclarecimento do PSD, e nunca efetuou uma auditoria às contas da empresa?"

Rubina Leal sublinha que a resposta a todas estas questões é a mesma: "a responsabilidade do estado atual da FrenteMar Funchal é inteiramente do executivo municipal socialista, do Sr. Deputado aqui presente Paulo Cafofo, do atual líder parlamentar socialista Miguel Iglésias, e ainda do vereador das fianças desde 2013, Miguel Gouveia".

Para os mais desatentos, a deputada relembrou que, em 2011 e 2012, a FrenteMar Funchal constava na lista das empresas municipais com os melhores resultados económicos, com resultados líquidos positivos. Em 2013 o resultado líquido foi igualmente positivo em. Nesses anos, a governação foi do PSD".

Contudo, em 2016 e 2017, "a FrenteMar Funchal consta na lista das entidades com os piores resultados líquidos" e, ao final de 2018, "a empresa permanecia em situação de falência técnica com capital próprio negativo. Nestes anos, a governação foi do PS".

"É este o rigor, é esta a boa gestão financeira, que tanto apregoam, tanto falam, tanto vociferam, mas que leva empresas à falência, e coloca em risco o futuro de 116 colaboradores", afirmou.

O mais estranhi é que, as palavras do então Presidente de Câmara, num meio de comunicação social, a 6 de Fevereiro de 2019, revelavam um outro cenário. Diz que “o rigor, o trabalho e a competência da administração da empresa municipal está a dar os seus frutos, sem nunca diminuir a excelência e a qualidade dos serviços que prestamos. Para uma empresa marcada, no passado, por algumas manchas na sua gestão, este é o resultado de uma política competente e transparente, que garante a todos os funchalenses uma boa gestão dos dinheiros públicos”.

Para Rubina Leal, "a maior mancha na FrenteMar Funchal é o encerramento da empresa, fruto da má gestão, da falta de rigor, e da incompetência demonstrada na administração da mesma. É o resultado de uma política sem transparência".

Hoje, "é o futuro de 116 pessoas e famílias que está colocado em causa. Aliás, não serão 116, porque o brutal aumento de trabalhadores que o partido socialista efetuou nesta empresa, na ordem dos 125%, após o ano de 2013, e que serviu como central de emprego socialista, e para muito mais, para retribuir favores e colocar pessoas na folha salarial, que nunca sequer lá desempenharam funções. Agora vemos que algumas dessas pessoas já têm o seu lugar assegurado noutras funções, em outros departamentos da Câmara Municipal".

É para aqueles que diariamente davam o seu melhor para prestar um serviço de qualidade nos complexos balneares, nos parquímetros e parques, e em todas as outras funções da FrenteMa Funhal, que o PSD deixa o seu apreço e solidariedade.