• bannerSitePSDM3jan2020.jpg

O deputado Eduardo Jesus afirmou hoje, na declaração política semanal da Assembleia Legistiva da Madeira, que “nunca a Autonomia foi objeto de um garrote tão forte e tão abrangente” por parte da República e deu exemplos de “episódios inqualificáveis que demonstram um perfeito desrespeito do Partido Socialista pela Madeira", como o IRS que é "roubado através da sobretaxa”, o arrastar da questão do subsídio de mobilidade e o “desprezo pela ligação marítima". Falou ainda da recusa do Estado em alargar o passe sub-23 aos estudantes da Região, a exclusão da Madeira do Plano Nacional de Investimentos e a “agiotagem” nos juros do empréstimo do PAEF que a Região teve de celebrar, "na sequência de mais uma falência de Portugal, também esta conseguida pelo PS".

"A República socialista ganha dinheiro com a dívida da Região Autónoma da Madeira", afirmou, reforçando que "esta circunstância é inadmissível, é inaceitável e terrivelmente injusta porque explora este povo insular".

O deputado lembrou que, em campanha, Antónico Costa prometeu acabar com a injustiça nos juros pagos pela Madeira. "Prometeu que, sendo poder, corrigiria esta vergonhosa situação, que colocava e continua a colocar a Região subjugada ao factos da própria nação. Foi promessa sem sequência, foi mais uma mentira que serviu de bandeira, mas que, tão rapidamente, quanto à ânsia de governar, transformou-se numa arma de arremesso político do exercício de poder e da negação de qualquer solidariedade pelo povo desta Região."

Eduardo Jesus afirma que "António Costa mentiu e continua a mentir", é "contra a Autonomia e inimigo do bem-estar desta Região e contra a melhoria das condições de vida dos madeirenses e dos porto-santenses".

Ainda assim, disse, "a nossa Região, roubada em mais 12 milhões de euros a cada ano que passa, tem cumprido, escrupulosamente, o serviço da sua dívida, reduzindo-a de forma extraordinária e exemplar".

O deputado lamentou ainda que a geringonça "roube para a esbanjar", além de bater recordes na carga fiscal sobre as famílias e sobre as empresas e de aumentar a dívida do Estado para "níveis nunca vistos".

"A mentira apoderou-se da reconhecida e assumida obsessão socialista e a agiotagem que nos é imposta por António Costa fará deste período da história uma das páginas mais vergonhosas da Democracia Portuguesa. A Região Autónoma da Madeira é roubada pela própria República. Não podemos ficar indiferentes. A situação é grave, é única e é uma vergonha nacional."

Também o líder parlamentar do PSD, numa questão formulada ao dpeutado Eduardo Jesus, lembrou que António Costa disse em 2015 que era uma vergonha a agiotagem que faziam à Região nos juros, mas "quatro anos depois, a governar, já lucrou 60 milhões de euros a mais nos juros da Região".

"60 milhões de euros que o atual primeiro-ministro encaixou no Orçamento do Estado e que fazem falta à Região", sublinhou Jaime Filipe Ramos. "É inacreditável que haja alguém que por uma guerra e motivação partidária, por interesse próprio do seu partido, penalize uma Região em 60 milhões de euros. É esse o custo da brincadeira de ter um primeiro-ministro que tem uma agenda partidária à frente da questão Estado”.