• bannerSitePSDM3jan2020.jpg

O Grupo Parlamentar do PSD reuniu-se com o Sindicato dos Trabalhadores da Função Pública para discutir questões relacionadas com a ADSE, sobretudo no que diz respeito à sua sustentabilidade e, principalmente, ao seu funcionamento na Região.

Neste encontro, que decorreu na Assembleia Legislativa da Madeira, o deputado João Paulo Marques apresentou algumas das principais medidas que o grupo parlamentar do PSD pretende ver implementadas neste susbsistema que "enfrenta, hoje, grandes desafios, não só ao nível nacional, mas também do ponto de vista regional".

O deputado lembrou que a ADSE enfrenta um "enorme problema de sustentabilidade, na medida em que o universo dos seus beneficiários está cada vez mais envelhecido e as despesas com os cuidados de saúde têm aumentado ano após ano".

"Hoje, todos concordamos que a ADSE necessita, urgentemente, de novos beneficiários", afirmou João Paulo Marques, salientando que a solução passa pela integração dos trabalhadores das empresas públicas, sendo esta uma das propostas apresentadas pelo grupo Parlamentar do PSD, no projeto de Resolução, dirigido ao Governo da República, que deu já entrada na Assembleia Legislativa da Madeira.

Só na Região, referiu, serão mais de 2 mil os trabalhadores nessa situação e que se encontram impedidos de aceder à ADSE. "É uma medida incompreensível por parte do Governo do Partido Socialista", disse.

No que concerne especificamente à Região, João Paulo Marques afirmou que, apesar de a ADSE ter uma grande implementação, "o que é facto é que a rede de convencionados na Madeira é, infelizmente, cada vez mais reduzida". "E é, por isso, que, muitas vezes, um beneficiário madeirense paga mais por uma consulta do que um beneficiário do resto do país", acrescentou.

Nesse sentido, o PSD/M considera ser "urgente que a ADSE invista e amplie, de uma vez por todas, essa rede de convencionados". "Temos já chamado à atenção para esse problema e, infelizmente, a ADSE tem-se recusado a alargar essa rede", reforçou o deputado, sublinhando que a "ADSE é demasiado importante para a função pública e para os funcionários públicos para que possa ser posta em causa por estas medidas do Governo socialista".

Assim, o PSD não aceita "que este Governo da República feche a porta da ADSE aos funcionários das empresas publicas, não só na Madeira, mas também no resto do país" e apela "a que se faça, urgentemente, uma ampliação da rede de convencionados aqui na Madeira para que os beneficiários madeirenses possam ter acesso a cuidados de saúde mais baratos".