• bannerSitePSDM3jan2020.jpg

1. No desespero de ganhar as Eleições na Madeira, António Costa promete fazer aquilo que nunca fez – aliás, aquilo que sempre ignorou– nos últimos quatro anos.

2. Sendo primeiro-ministro de Portugal e tendo a obrigação de tratar todos os portugueses por igual, considera-se lamentável que António Costa deixe finalmente cair a máscara para confirmar o que já se suspeitava: que no seu mandato prejudicou, deliberadamente e por interesses meramente partidários, uma Região que não era nem é da sua cor política.

3. O PSD/Madeira estranha a oportunidade deste anúncio – apenas entendido à luz da campanha eleitoral – não só porque o Governo da República sempre se demarcou desta operação, afirmando que a continuidade territorial entre a Madeira e o continente se cumpria apenas por avião, mas, também, porque a portaria para o subsídio de mobilidade das viagens marítimas ainda nem está aprovada.

4. E estranha, também, que sendo António Costa a favor desta medida, tenha optado por deixar que o povo Madeirense assumisse, nestes últimos anos, os custos de uma operação que lhe competia assegurar.

5. Em nome da verdade e contra a demagogia instalada neste partido, importa esclarecer em que moldes é que será feita esta Operação, em que navio, com que condições e que custos é que a Região terá de assumir.

6. E também é fundamental que António Costa esclareça se este é um compromisso com a Região – que se manterá se o PSD/M ganhar, como vai ganhar, as Eleições – ou se é um compromisso com o candidato do PS e com os militantes socialistas.

7. O facto é que milhares de Madeirenses e Porto-Santenses foram prejudicados, ao longo dos últimos quatro anos, por culpa de uma governação Socialista desastrosa que falhou em toda a escala e desrespeitou todos os compromissos que tinha para com uma Região que, pelos vistos, só tem importância e valor em altura de campanha eleitoral.

O Secretário-Geral do Partido Social-Democrata da Madeira
José Prada