• bannerSitePSDM3jan2020.jpg

1. Mais do que lamentáveis e desonestas, o PSD/Madeira considera as declarações proferidas pela candidata do PS-Madeira às Europeias – nesta sua ronda inicial de visitas – o reflexo de quem desconhece, totalmente, a realidade regional.

2. No caso da saúde, o desconhecimento chega a ser alarmante – e apenas revelador da sua ausência da Região, nos últimos anos – quando deixa transparecer que não está a par da estratégia que tem vindo a ser seguida, nesta área e ao longo dos últimos 40 anos, contemplando as várias faixas etárias e com especial enfoque na medicina preventiva. Aliás, desconhece o trabalho e a intervenção integrada que tem vindo a ser desenvolvida, com bons resultados, ao nível dos cuidados primários e hospitalares, assim como dos cuidados continuados e paliativos.

3. Ainda mais grave se torna a afirmação de que, na Madeira, não existe um Plano Regional de Saúde, prioridade “à qual pretende dar resposta no futuro”. Aconselha-se a dita candidata a estudar melhor os dossiês, já que a Região tem, há longos anos, Planos que norteiam o setor, sendo que o mais recente e atualmente em vigor – o Plano Estratégico do Sistema Regional de Saúde – remonta a 2015 e se estende até 2020.

4. A par da saúde, a candidata do PS-M desconhece, igualmente, que, no caso do setor agrícola e conforme anunciado pelo Governo Regional, o valor da cana para o ano de 2019 terá um aumento de 3,7%, assim como ignora os apoios que existem, na Região, aos fatores de produção, o investimento realizado na promoção do setor com reflexo no escoamento dos produtos e, claro, o facto de, neste quadro comunitário, terem sido aumentadas as ajudas nesta área.

5. Finalmente, regista-se com estranheza a defesa do CINM, pelo PS-M, numa postura inédita, até agora silenciada, que contrasta não só com estratégia da socialista Ana Gomes como, também, com o próprio pensamento do responsável pelas finanças que acompanha o candidato do PS-M a Presidente do Governo Regional.

6. Falhanço em toda a linha é a melhor expressão para caraterizar os primeiros encontros de uma candidata que, imposta por Lisboa e totalmente alheada da realidade regional, deve procurar opinar com razão e fundamento, sem entrar na demagogia habitual que nada acrescenta, ao contrário do que diz, aos madeirenses e porto-santenses.

 

Funchal, 5 de abril de 2019

Partido Social Democrata da Madeira

José Prada