• bannerSitePSDM3jan2020.jpg

A deputada à Assembleia da República Sara Madruga da Costa denunciou hoje a atitude incoerente e irresponsável dos partidos que na Madeira apregoam mais saúde, mas que, em Lisboa, nada fazem para melhorar e fazer aprovar as alterações à legislação nacional necessárias para a aperfeiçoar.

Após uma reunião com o Secretário Regional da Saúde, Sara Madruga da Costa referiu, a esse respeito, o exemplo do chumbo do PS, do BE e do PCP à proposta de alteração ao Orçamento de Estado para 2019 que apresentou e que pretendia aplicar à Região o mesmo regime de mobilidade interna especial já existente e aplicável aos profissionais de saúde do continente.

"Não é compreensível que o PS, BE e PCP continuem a impedir a continuidade territorial e a mobilidade especial dos profissionais de saúde na Madeira que já existe a nível nacional."

Sara Madruga da Costa afirma que "a aprovação desta proposta é fundamental para a valorização dos nossos profissionais de saúde e dos nossos recursos humanos.

"Em Lisboa o PS, o BE e o PCP não só não apresentaram nenhuma proposta ao Orçamento em matéria de saúde, como chumbaram todas as propostas que apresentamos. Concluímos por isso que estes partidos não estão verdadeiramente preocupados em melhorar a saúde na Madeira, mas apenas a usá-la como arma de arremesso político local para as eleições”, referiu.

A Deputada social-democrata explicou que, no seguimento do chumbo da esquerda ao alargamento da mobilidade especial interna aos profissionais de saúde da Madeira, o PSD voltou a apresentar a mesma iniciativa na Assembleia da República, desta feita através da ALRAM, iniciativa esta que está novamente em discussão em São Bento, tendo sido aprovado esta semana o respetivo Parecer.

Sara Madruga da Costa desafia por isso o PS, o BE e o PCP desta vez a aprovarem esta iniciativa para que a semelhança do continente também se possa aplicar na Madeira um regime especial de mobilidade aos profissionais de saúde.