• bannerSitePSDM3jan2020.jpg

Foi visível o “desconforto” da Ministra da Saúde nas respostas às perguntas colocadas pela Deputada Sara Madruga da Costa esta tarde, na reunião plenária convocada para debater uma interpelação ao Governo sobre políticas de saúde.

Sara Madruga da Costa renovou as perguntas que têm efetuado ao longo da legislatura sobre o financiamento do novo Hospital da Madeira e sobre a dívida de dezoito milhões de euros devida ao Governo Regional pelos subsistemas de saúde, não sem antes ter acusado o Governo de António Costa de nos últimos quatro anos ter “utilizado todos os expedientes possíveis para adiar a resolução de assuntos muito importantes para a Madeira.

As perguntas foram simples e diretas. “Acresce ou não o IVA aos montantes e às transferências devidas relativas ao financiamento do novo Hospital da Madeira?” Pretende deduzir ao valor deste financiamento “a avaliação dos Hospitais Nélio Mendonça e dos Marmeleiros?” Porque motivo a dívida de 18 milhões de euros do Governo ao Governo Regional da Madeira por conta dos subsistemas de saúde “ainda não foi paga”? “Quais os esforços que tem levado a cabo para resolver este problema?” atirou Sara Madruga da Costa. Na resposta foi patente o desconforto de Marta Temido que se ficou por um titubeante “está tudo bem”.

A deputada social democrata tinha avisado que a Ministra da Saúde tinha mais uma oportunidade para demonstrar que o objetivo do Governo da República não era adiar, mas resolver os problemas, algo que o Governo Regional da Madeira estava a fazer, exemplificando com o avanço do concurso público para a pré-qualificação da construção do novo Hospital da Madeira, sendo inclusivamente já conhecida a listagem das empresas candidatas àquela obra.

A resposta foi uma não resposta e o atraso na resposta aos esclarecimentos solicitados tem um “significado politico” para Sara Madruga da Costa e este pode ser muito bem o Governo pretender “prejudicar os madeirenses e porto-santenses”.

Vídeo da intervenção