• bannerSitePSDM3jan2020.jpg

O debate em torno do Hospital da Madeira e da taxa de juros regressou esta manhã ao plenário da Assembleia da República, na sequência de um requerimento de avocação efetuado pelo PSD.

Sara Madruga da Costa, considerou “lamentável a forma como os partidos de esquerda tratam questões importantes para a Madeira, como o subsídio de mobilidade, ferry, redução das taxas de juro, mas, sobretudo, o novo hospital”.

“Na Madeira PS, BE e PCP dizem uma coisa, mas em Lisboa, nas costas dos madeirenses e na primeira oportunidade fazem outra, abandonam a Madeira e agacham-se aos ditames partidários e aos aparelhos centralistas”.

Para a deputada social-democrata “a Madeira e os madeirenses mereciam melhor” e “é vergonhosa a forma como o PS, BE e PCP, com a conivência de deputados madeirenses, se uniram nesta casa numa coligação de forças, não em defesa dos interesses e do melhor para a Região, mas contra a Madeira chumbar, chumbar”.

“Graças à geringonça fica praticamente tudo na mesma em relação ao Hospital, subsídio de mobilidade, ferry e taxa de juro.

O Governo da República continuará a recusar-se a assumir o financiamento prometido de 50% e o IVA e a fazer indecentemente contas com o património alheio.

O Governo da República continuará a ganhar dinheiro coma Região e a impedir a poupança das famílias e das empresas madeirenses.

O Governo da República continuará a rejeitar o novo modelo de subsídio de mobilidade já aprovado no parlamento e os custos do ferry todo o ano”.

Numa resposta ao deputado Carlos Pereira, a deputada madeirense referiu que o mesmo “perdeu não uma, mas duas oportunidades, a primeira foi a de apresentar propostas de alteração ao Orçamento e a segunda foi a de estar calado”.

“Vê-se mesmo que o deputado Carlos Pereira não esteve aqui ontem, porque se estivesse perceberia que as propostas em causa foram acolhidas pelo PSD e chumbadas pelo PS, BE e PCP”.

1.ª Intervenção

2.º Intervenção