• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Terça, 27 Junho 2017

Foi com esta determinação que o presidente do PSD/Madeira se dirigiu hoje a todos os militantes e simpatizantes do PSD na apresentação dos candidatos à presidência das Câmaras Municipais, das Assembleias Municipais e das Juntas de Freguesia.

Numa sala de congressos repleta de gente, Miguel Albuquerque sublinhou que não só "estas eleições são para ganhar" como a direção do partido vai acompanhar, no dia-a-dia e no terreno, os candidatos pelos diferentes concelhos para que esse objetivo seja atingido. Candidatos que, segundo salientou, resultaram de um processo de diálogo com as bases e com as estruturas do Partido, ao contrário do que aconteceu com o PS-M em que líder nacional veio à Madeira impor candidaturas.

"As escolhas foram democraticamente feitas no seio do nosso partido", afimou, referindo que o PSD é um partido "autonomista" e "regional", que "toma decisões essenciais" sobre o seu próprio futuro e sobre "o futuro da nossa terra". "Jamais poderíamos autorizar nem conceber seja o que for relativamente à imposição de candidatos e à imposição das estruturas nacionais sobre as estruturas regionais."

Miguel Albuquerque afirmou que a unidade do partido é fundamental para vencer as eleições autáquicas e essa unidade e mobilidade esteve bem evidente na quantidade de pessoas que acorreram ao Casino da Madeira. "Para certos arautos da desgraça que diziam que o Partido Social Democrata da Madeira não estava mobilidado para as próximas eleições, a primeira resposta está hoje aqui neste Casino completamente cheio", disse.

O Presidente do PSD/Madeira considera ser fundamental manter a característica que o PSD sempre teve de "se aproximar das pessoas", de ouvi-las e auscultá-las relativamente às suas expetativas, sobretudo quando vivemos "numa sociedade de ruído" e "mediática". "Mais do que falar, as pessoas precisam hoje de ser ouvidas e é essa capacidade que os nossos autarcas tradicionalmente sempre tiveram."

Contudo, salientou, essa auscultação não se resume à campanha, deve manter-se para além das eleições para que possam depois ser tomadas "as decisões de interesse comum".

Nestas eleições autárquicas, o PSD pretende apresentar ideias "muito claras" sobre aquilo que quer para cada freguesia e para cada concelho. "Vamos também dizer que compete aos políticos apontar caminhos e apontar soluções para os problemas que a população sofre", reforçou Miguel Albuquerque, acrescentando que "as pessoas precisam de políticos que tomem decisões, que concretizem projetos". "De conversa fiada já tivemos quatro anos nas Câmaras da oposição", denunciou, pegando nas palavras usadas pelo candidato por Machico para referir que "não têm de ser dadas segundas oportunidades a projetos falhados".

"Depois da conquista da Autonomia nunca assitimos a uma situação destas, promessas não cumpridas, expetativas goradas, projetos anunciados e não concretizados, falhanços em todas as áreas de investimento, falhanço na área social, retrocesso em políticas que estavam a ser executadas, e, por isso, é nossa obrigação, enquanto democratas, denunciar a fraude e sobretudo a incompetência dos executivos que estão a gerir as câmaras e as juntas de freguesia que são liderados, e mal liderados, pela oposição nesta terra," referiu Miguel Albuquerque, salientado que há uma "distância abismal entre aquilo que foi prometido à população e aquilo que foi realizado".