• Capa_abril_Site-100.jpg
Notícias
  Sexta, 16 Junho 2017

O deputado João Paulo Marques denunciou hoje a falta de manutenção, por parte da Câmara Municipal do Funchal, das bocas de incêndio na freguesia do Monte, numa altura em que se aproxima a época mais propícia à propagação de incêndios.

“Iniciou-se ontem aquele que é o período crítico para ocorrência de incêndios na Região. Também, por isso, entrou em vigor o Plano Operacional de combate aos incêndios, através do qual as serras da Madeira passarão a estar sob a vigilância de cerca de 200 operacionais", afirmou.

Numa conferência de imprensa realizada no Caminho das Babosas, o deputado lembrou que aquela foi uma das zonas mais afetadas pelos incêndios de 2016, tenho esta deslocação servido também para ouvir as preocupações das pessoas que aqui vivem, mas também para conhecer no terreno qual foi o trabalho de prevenção realizado pela CMF desde agosto de 2016.

“Infelizmente, o que as pessoas nos dizem é que em matéria de preparação e prevenção de incêndios está tudo por fazer”, adiantou, sublinhando que, “apesar de existirem muitas falhas por parte da Câmara nessa área, a grande preocupação de quem vive na freguesia do Monte prende-se com os pontos de abastecimento de água, ou seja, com as bocas de incêndio”.

“O que podemos ver no terreno e o que nos transmitiram as pessoas é que mais de 50% das bocas de incêndio no Monte estão danificadas ou então simplesmente não funcionam”, acrescentou.

O deputado salienta que esta não é uma situação nova para a Câmara, uma vez que, já nos incêndios de 2016, a falta de água nas bocas de incendio dificultou o combate ao fogo e já nessa altura as pessoas denunciaram essa situação.

“Passado um ano e com a época crítica de incêndios a começar, ninguém percebe como é que a Câmara não fez o levantamento e um reforço dos pontos de água nas zonas críticas, ninguém percebe como é que as bocas de incêndio continuam exatamente como estavam em 2016”, salientou.

Nesse sentido, João Paulo Marques lembrou ao Presidente da Câmara que o combate aos incêndios começa na prevenção, na limpeza de terrenos que a Câmara não limpou e na manutenção das bocas de incêndio que a Câmara não fez.