• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Quinta, 8 Dezembro 2016

Militantes e simpatizantes do PSD/Madeira juntaram-se no jantar de Natal, no pavilhão do CAB.

Miguel Albuquerque lembrou os desafios superados com sucesso pela atual direção após o último congresso, sendo agora altura de preparar o partido para "ganhar as eleições autárquicas do próximo ano".  O primeiro passo é dado já no dia 9 de dezembro com as eleições internas do partido para escolher a nova direção. "Nós somos um partido democrático, onde os militantes, as mulheres e os homens deste partido, têm a primazia da escolha, votam por sufrágio", disse. "Vamos escolher a nova direção do partido, vamos fazer o nosso congresso a 20 e 21 de janeiro e depois vamos avançar para ganhar a maioria das câmaras e das juntas de freguesia da Região Autónoma da Madeira." Para Miguel Albuquerque esse é um "imperativo" para todos os militantes e simpatizantes do PSD/Madeira, salientando que existem hoje câmaras governadas pela oposição "em que nada acontece" e onde "não foi cumprido" nada daquilo que "foi prometido". "É fundamental neste momento, para bem das populações dos concelhos e das freguesias onde não somos poder, que o PSD volte a governar", afirmou Miguel Albuquerque, referindo que é "o único partido na Região que quando promete faz, quando assume compromissos cumpre integralmente". Já a oposição, adiantou, "é só conversa fiada"  e "propaganda" porque ao "fim de três anos não há uma obra feita".

O Presidente da Comissão Política acrescentou que, "graças à boa administração" do Governo Regional eleito pelo PSD, é possível "anunciar aos madeirenses" que, para o próximo ano, não só serão novamente devolvidos 6,5 milhões de euros de IRS às famílias como também será reposto o subsídio de insularidade, no valor de 4,5 milhão de euros para os funcionários públicos.

Miguel Albuquerque sublinhou que a Madeira está a recuperar da crise, dando o exemplo dos números recorde obtidos no turismo, dos bons indicadores da economia interna e da captação de investimento estrangeiro e da receita fiscal a arrecadar através do Centro Internacional de Negócios, no valor de 190 milhões de euros. "Vamos também continuar a assegurar reformas essenciais nos sistemas sociais, na educação e na Saúde, para termos uma melhor educação para os nossos jovens e uma melhor prestação de cuidados de saúde para os nossos concidadãos", afirmou, referindo existirem também agora condições para além de relançar o investimento público e criar melhores condições de vida para a população.

Relativamente ao relacionamento institucional com Lisboa, o líder do PSD/Madeira afirmou que o partido "não rompe o diálogo com o Estado", mas não deixará de ser "firme na defesa intransigente dos interesses dos madeirenses e dos porto-santenses”."Nós não nos agachamos perante ninguém, nós temos a capacidade de diálogo, mas não temos a espinha vergada às imposições injustas que nos querem fazer passar."

Miguel Albuquerque lembrou o compromisso assumido para o financiamento do novo hospital. “Não venham enganar os madeirenses a dizer que vão dar 50%, o acordo é 80%”, afirmou.

O líder social-democrata recordou igualmente o que está definido na Constituição da República Portuguesa relativamente às receitas fiscais geradas e cobradas nas regiões autónomas, as quais constituem receita própria. "Não venham cobrar impostos e sobretaxas aos madeirenses para aplicar esse dinheiro em Lisboa. Esse dinheiro, nos termos da constituição, nos termos da arquitetura daquilo que é a nossa autonomia, pertence aos madeirenses e porto-santenses e não ao Estado português."

Já no final da intervenção, o presidente do PSD/Madeira salientou que as eleições autárquicas de 2017 "são essenciais para o futuro da Madeira". “Nós temos os melhores autarcas, temos os melhores homens, as melhores mulheres, para exercer o poder de proximidade com a nossa população", disse Miguel Albuquerque, afirmando contar "com todos sem excepção" e que o "nosso partido só será derrotado se nos dividirmos”, disse. "Se nos unirmos naquilo que é essencial o PSD continuará no futuro como um partido de vitória, um partido dos madeirenses."