• Capa_abril_Site-100.jpg
Notícias
  Sexta, 18 Março 2022
O Grupo Parlamentar do PSD destacou, hoje, a aposta contínua do Governo Regional no ordenamento das florestas, na sua preservação e valorização.

Numa visita ao Viveiro Florestal da Matur, no âmbito do Roteiro de Proximidade, dedicado à Natureza, o deputado Nuno Maciel salientou que a significativa mancha de parque natural, as múltiplas áreas de rede natura 2000 e os projetos de conservação e reflorestação em curso, demonstram o empenho da Região numa área fundamental para o nosso futuro coletivo e para a imagem turística que sustenta a nossa economia e são “o nosso maior tesouro”.

O deputado sublinhou que a política florestal tem sido desenvolvida “de uma forma consequente e sustentada em instrumentos e planos de gestão de apoio à decisão, mas também através de investimentos concretos, tanto materiais como humanos”.

A valorização do corpo de polícia florestal com a entrada de mais elementos para o seu efetivo, a criação da carreira de sapadores, a recuperação das torres de vigilância e dos postos florestais, a aquisição de veículos e meios de primeira intervenção e o reforço dos equipamentos individuais de proteção e combate, foram alguns dos exemplos referidos pelo deputado relativamente aos investimentos realizados ao longo dos últimos anos, que revelam a aposta feita pelo Governo Regional para reforçar a capacidade de resposta e ação direta na segurança e fiscalização do nosso território florestal.

A par de outras medidas, conforme salientou, que visam a regeneração da flora, como é exemplo disso o trabalho que é realizado nos viveiros florestais, onde são produzidas cerca de 150 mil plantas por ano.

Nuno Maciel recordou, ainda, que a Região possui um conjunto alargado de reservas e zonas protegidas, apoiadas em diferentes planos de gestão territorial, num equilíbrio entre a presença humana, a conservação das espécies e a regeneração dos ecossistemas. Em resultado desta política, adiantou, o nosso arquipélago é uma autêntica reserva natural com dois terços do território declarados como área protegida, num trabalho continuo, que passa por um equilíbrio constante entre as medidas de preservação e salvaguarda da fauna e flora e a presença e usufruto pela população da nossa Natureza.