• Capa_abril_Site-100.jpg
Notícias
  Sábado, 5 Março 2022

“Este Congresso marca a cessação de um ciclo da vida política do nosso Partido, um ciclo no qual o PSD cumpriu os objetivos estratégicos definidos na Moção que então apresentei aos nossos Militantes no XVII Congresso Regional”, afirmou o Presidente da Comissão Política do PSD/Madeira, Miguel Albuquerque, no inicio da sua intervenção no 18º Congresso Regional, lembrando a importância de olhar o futuro em unidade e com a mesma força e mobilização.

Ocasião em que enalteceu as cinco vitórias eleitorais alcançadas desde 2019, pelo seu Partido – Europeias, Regionais e Legislativas Nacionais em 2019, Autárquicas em 2021 e, mais recentemente, as Legislativas Nacionais antecipadas em 2022 – vincando que estes resultados se devem a todos os Militantes, num Partido “em que todos são importantes”.

“Num quadro de bipolarização muito acentuado, com o PS/Madeira, PCP e Bloco a federar as esquerdas na Madeira e no fundo, as forças centralistas ao serviço de Lisboa, com os socialistas nacionais, o Governo Nacional e o Primeiro-Ministro António Costa apostar tudo num cavalo de Troia socialista a fim de poder mandar na Madeira, o nosso Partido mobilizou-se, uniu-se, foi para o combate político e soube estar à altura dos desafios”, numa união e mobilização que estiveram sempre presentes durante as cinco eleições, disse.

"O PSD/Madeira soube estar à altura durante a pandemia", destaca Albuquerque


“Infelizmente, no início de 2020 e quando tudo estava a correr bem, fomos atingidos pela crise pandémica, mas a verdade é que, nesse momento muito difícil, talvez o mais difícil da nossa história recente, mais uma vez soubemos estar à altura”, vincou Albuquerque, sublinhando o facto dos Madeirenses e Porto Santenses terem dado “uma lição exemplar de coragem, determinação, civismo, e solidariedade face a esta terrível provação”.

Miguel Albuquerque que, neste enquadramento, fez questão de reiterar que, apesar do abandono a que a Madeira foi votada pela República, com poucos meios humanos e escassos recursos financeiros, o Governo Regional soube enfrentar melhor que qualquer outro esta terrível pandemia.

“Assumindo decisões por vezes muito difíceis, atuando de forma preventiva e com sentido de organização na salvaguarda da saúde nos nossos concidadãos, concretizando, em tempo recorde, infraestruturas, meios e recursos logísticos e humanos para testagem, vacinação e acolhimento dos nossos concidadãos afetados pela terrível doença e o controle e monotorização da mesma”, disse, fazendo questão de recordar os apoios que, nesta altura, foram garantidos às famílias, aos cidadãos, às empresas e aos mais vulneráveis com elevados recursos financeiros e materiais, de modo a manter o emprego e o funcionamento da economia.

“Enquanto isto tudo se passava, mesmo nos momentos mais agudos da crise, recebemos zero de solidariedade do Governo e Estado Português e os Socialistas locais, na sua habitual maledicência inconsequente, iam debitando baboseiras e palermices pela paisagem”, sublinhou.

“Neste Partido somos todos importantes”, reforça Miguel Albuquerque

“Conforme escrevi na Moção que vos apresento ‘Madeira Sempre’, neste Partido todos somos importantes, todos somos dignos, todos somos respeitados e, no quadro da nossa liberdade de pensamento e atuação, todos temos um papel a desempenhar”, frisou o Líder dos Social-democratas, lembrando que, só com unidade na ação, “é que poderemos garantir a mobilização e a confiança dos cidadãos e do nosso eleitorado em torno dos grandes objetivos”.

“Sempre foi assim no passado e, no futuro, estou certo, este continuará a ser o caminho”, disse, frisando que os recentes sucessos do Partido “resultam da vontade de todos nós”.

Ocasião em que teceu elogios e um profundo reconhecimento ao papel que as várias estruturas do Partido têm vindo a assumir, designadamente os TSD, JSD, Autarcas e Grupo Parlamentar eleito à Assembleia Legislativa Regional, sem esquecer os deputados do PSD/Madeira eleitos à Assembleia da República e ao Parlamento Europeu, mas, também, as Comissões Políticas de Freguesia e Concelho e o Núcleo da Emigração.

“Cumpriram e continuam a cumprir com coragem e competência o seu papel de defesa, em primeiro lugar, da Madeira e só depois os interesses do Partido”, realçou.

“Não estamos aqui para brincar aos Partidos, estamos aqui para servir os Madeirenses”, reitera Albuquerque


Assumindo não existir qualquer hesitação quanto ao futuro e ao caminho que o PSD/Madeira irá seguir, Miguel Albuquerque fez questão de sublinhar a importância da unidade do Partido em torno dos objetivos que são comuns em nome da defesa da Região e de toda a população, lembrando que é essencial “assegurar a estabilidade no quadro parlamentar, autárquico e governativo, a fim de concretizarmos todos os compromissos que temos com as populações que representamos”.

Albuquerque que elencou alguns desafios: “manter a identidade do Partido autonomista e personalista, não hesitar nadefesa da Madeira face às investidas do colonialismo centrista, garantir a clareza das políticas que prosseguimos, recuperar economias, liderar as novas causas para a transição digital e ambiental e o reforço da coesão social na nossa Região”.

Isto, a par da progressiva abertura do PSD/M a novos quadros, novos militantes e a uma auscultação ainda mais reforçada junto da sociedade civil, “pois só assim o PSD/M estará mais forte e mais atuante”.

“Temos de continuar a preparar o presente, com os olhos postos no futuro, unidos pela Social Democracia e Autonomia, contra aqueles que bloqueiam e desrespeitam o Caminho da Liberdade e Prosperidade que devemos assegurar ao nosso Povo”, disse.

Acresce referir que Moção de Estratégia Global "Madeira Sempre", apresentada por Miguel Albuquerque a este 18º Congresso Regional, foi aprovada por unanimidade.