• Capa_abril_Site-100.jpg
Notícias
  Sexta, 7 Janeiro 2022

Dinis Ramos, candidato pela coligação PSD/CDS “Madeira Primeiro”, defendeu, hoje, junto ao Liceu Jaime Moniz, a criação do Estatuto do Estudante-deslocado, um diploma “que é urgente” e que tem por objetivo salvaguardar e reforçar o apoio aos jovens Madeirenses que se encontram a estudar no continente português em áreas como a saúde e a mobilidade, passando a tutelar e a integrar todas as questões, problemas e dificuldades que se prendam com a quotidiano destes estudantes.

Questões práticas que, conforme sublinhou, “são muito pertinentes para quem está a estudar deslocado e longe da sua área de residência que, infelizmente, nunca mereceram a devida atenção por parte do Governo de António Costa e, mais grave, nunca sequer estiveram na agenda dos deputados do PS eleitos pela Madeira à Assembleia da República”.

Em causa, explicou o candidato, “está, por exemplo, o acesso integral e sem reservas ao sistema público de saúde por parte dos nossos estudantes, nomeadamente a marcação de consultas em centros de saúde públicos em todo o País, mas, também, a definição, com alguma antecedência e por parte das Faculdades, das datas das férias e das provas de avaliação de modo a que os nossos estudantes possam ter outra capacidade de prever e de marcar as suas passagens aéreas para a Região”.

Paralelamente, prossegue, “está, também, a fundamental criação de um contingente específico, dentro do Plano Nacional de Alojamento, para os estudantes que se encontram fora da área de residência, salvaguardando-se, assim, o direito à habitação destes jovens e, igualmente, não menos importante, a interligação deste novo diploma com a lei que já devia ter sido regulamentada pelo Governo da República e que agora foi suspensa – mas da qual não tencionamos desistir – do subsídio de mobilidade que previa que os estudantes madeirenses pagassem apenas 65 euros por trajeto para o continente”.

Dinis Ramos que sublinha a importância de criar um diploma que integre “questões que atualmente se encontram dispersas e por tutelar”, fazendo questão de vincar que, para a candidatura “Madeira Primeiro”, a juventude é uma prioridade.

“Connosco, estas e todas as questões que digam respeito à juventude estarão em cima da mesa e serão defendidas na Assembleia da República, até porque para nós, ao contrário de outros Partidos que nestes últimos seis anos nada fizeram, os jovens da Madeira e do Porto Santo são prioridade”, remata o candidato.