• Capa_abril_Site-100.jpg
Notícias
  Sábado, 17 Julho 2021

“A Câmara de Santa Cruz não pode continuar de costas voltadas para o mar", afirmou, hoje, Brício Araújo, deputado e candidato social-democrata à Câmara Municipal, no âmbito das Jornadas Locais do Grupo Parlamentar.

"Queremos realçar as potencialidades deste concelho no que diz respeito ao mar. Nós entendemos que este executivo camarário, ao longo dos últimos oito anos que tem governado esta câmara, não tem tido qualquer preocupação relativamente ao mar e a esta enorme frente-mar que tem o concelho de Santa Cruz, que entendemos dever ser preservada, valorizada e potenciada", disse, defendendo a criação de políticas de desenvolvimento nesta área, de controlo da qualidade das águas e proteção ambiental.

Para Brício Araújo, as políticas ambientais, a valorização do mar e da frente-mar são muito importantes para o futuro do concelho, não só no que diz respeito ao bem-estar e saúde da população, mas também para a economia e, em particular, no investimento no turismo.

"É fundamental que este concelho saiba captar turistas, saiba gerar investimento na área do turismo", salientou, reforçando que isso passa pela valorização do mar e de todas as suas envolventes, o que não tem acontecido, segundo o candidato, em Santa Cruz. Pelo contrário, sustentou, lembrando os despejos para o mar verificados nos Reis Magos: “ataques ambientais inadmissíveis”.

Questionado sobre projetos do atual executivo municipal, Brício Araújo sublinhou que se trata, sobretudo, de "projetos precipitados para cartazes", “sem ouvir a população”, em muitos casos "obras de cosmética" e lamentou as más opções que têm sido feitas, dando o exemplo da obra de instalação de um eco-ponto em plena promenade de Santa Cruz, uma zona nobre da cidade, referindo que foi também "um erro de avaliação", na medida em que a obra se encontra parada por falta de condições físicas para prosseguir. Considera, no entanto, que a população "está atenta e vai avaliar o desempenho deste executivo camarário por aquilo que se passou nos últimos oito anos".