• Capa_abril_Site-100.jpg
Notícias
  Segunda, 25 Janeiro 2021

Os Trabalhadores Sociais Democratas (TSD/M), representados pelo seu presidente Amílcar Gonçalves, reuniram hoje com a Direção da Associação de Profissionais do Centro Internacional de Negócios da Madeira (APCINM), num encontro onde foram abordadas, junto daquela Associação, as preocupações relativas à provável instabilidade laboral e empresarial que a proposta de lei apresentada à Assembleia da República, pelo Governo da República, concebe.

Uma posição que os TSD/M assumem em solidariedade institucional e defesa intransigente do CINM e dos seus efeitos positivos na economia regional e em nome da salvaguarda dos postos de trabalho, diretos e indiretos, sensivelmente 6.000, que aquele Centro Internacional representa.

“Este é mais um momento de vital importância para a vida do CINM dado que, segundo as informações que temos, que acompanhamos e que hoje reforçamos junto da APCINM, poderá estar em causa, no caso desta proposta de lei do Governo da República vir a ser aprovada, o encerramento de 1.600 empresas, o desemprego de 6.000 trabalhadores e a perda de receita fiscal anual em sede de IRC de 120 Milhões de euros, isto para além dos efeitos devastadores na captação de investimento estrangeiro em Portugal e das exportações  relacionadas”, afirmam os TSD/M, sublinhando que restringir os benefícios fiscais às empresas sediadas no CINM, apenas aos que resultem da atividade exercida na Região, é extremamente redutor, pois o mercado regional é muito limitado, entre outras razões, devido ao reduzido número de consumidores, e tal conjetura não se enquadra no âmbito da esmagadora maioria das empresas ali fixadas.

A APCINM acredita que tal facto, a verificar-se, “será motivo bastante para o abandono, se não da totalidade, de uma enorme fatia do tecido empresarial,” ao ponto de não se justificar a continuidade do CINM, com as nefastas consequências previsíveis.

Os TSD mostraram-se sensíveis e preocupados com este cenário e apresentaram à APCINM os esforços que o PSD/M, concretamente através da sua proposta de alteração, tem evidenciado junto dos órgãos institucionais próprios, vincando que esta tem de ser uma luta de todos os Madeirenses sem exceção, que o Governo Regional tem liderado.

Refira-se que este foi mais um encontro promovido pelos TSD/M, no âmbito de uma estratégia proativa de proximidade ao mundo laboral, nas múltiplas áreas e contextos profissionais, com a evidente preocupação centrada nos reais anseios, espectativas e necessidades que estes trabalhadores manifestam. Uma estratégia que tem como pano de fundo a atividade e vitalidade económica da Região e, como pedra basilar, o capital humano que cada trabalhador representa, nos seus direitos, deveres e responsabilidades na sociedade civil, laboral e empresarial.