• Capa_abril_Site-100.jpg
Notícias
  Quinta, 21 Janeiro 2021

Vereação Social-democrata votou a favor das medidas apresentadas, hoje, pelo Executivo Municipal do Funchal, ainda que ressalvando o caráter redutor e tardio das mesmas. “É incompreensível que, apenas cerca de um ano depois, é que a Câmara do Funchal tenha sido capaz de apresentar medidas para apoiar quem foi afetado por esta crise, grande parte das quais surgem fora de tempo e já não cumpre o seu propósito”, criticam

Os vereadores eleitos pelo PSD à Câmara Municipal do Funchal votaram, hoje, a favor das medidas apresentadas, pelo Executivo, para apoiar a economia local afetada pela pandemia, ainda que lamentem a demora das mesmas e o facto de estarmos perante uma realidade que obriga “a uma outra intervenção, muito mais alargada e atenta a quem, de facto, sofreu os efeitos desta crise”, conforme explicou o vereador Paulo Silva Lobo.

Paulo Silva Lobo que, neste enquadramento, critica a falta de visão e até de ambição de um Executivo que, durante um ano de graves dificuldades, “limitou-se a ignorar os problemas e a chumbar todas as propostas que eram apresentadas para minimizar os seus impactos, para que hoje, passado este tempo, viesse apresentar um Plano que mais não é do que a base das medidas que reprovou, sem qualquer critério a não ser político, em 2020”.

Social-democrata que vai mais longe ao afirmar que a incompreensível demora em agir, em tomar decisões e em implementar soluções efetivas, por parte deste Executivo, ao longo de um ano que foi de sérias dificuldades para os Funchalenses, deixou marcas que podem, inclusive, não ser sanadas por este pacote de medidas, “que vem fora de tempo e que pode já não evitar o encerramento de negócios e a perda de postos de trabalho, para além da consequente redução drástica do rendimento das nossas famílias”.

“Exigiam-se respostas imediatas e excecionais”, disse, lembrando que o PSD apresentou, em 2020, inúmeras propostas ao Executivo Municipal do Funchal, precisamente para atender aos problemas, na altura em que os mesmos surgiram – nomeadamente relacionadas com a suspensão da cobrança das rendas aos comerciantes do Mercado dos Lavradores, com a isenção do pagamento das rendas dos espaços comerciais concessionados pelo Município e com apoios diretos ao setor hoteleiro local, assim como apoios ao pagamento de rendas pelos inquilinos da SocioHabitaFunchal – “que foram todas chumbadas e que, caso tivessem sido aprovadas e implementadas, poderiam ter beneficiado, de facto e no momento certo, milhares de pessoas”.

Vereador do PSD que, por fim, lamenta, também, o facto da Câmara Municipal ter adulterado, nesta reunião, uma proposta apresentada pela vereação tendente a garantir a intervenção urgente no Caminho do Monte, transformando-a num Voto de Louvor ao próprio Executivo. “Chegamos ao cúmulo de ver uma Câmara vangloriar-se por um trabalho que nem fez”, rematou.