• jan_21_banner.jpg
Notícias
  Sexta, 18 Dezembro 2020

A Consulta do Estudante Universitário no SESARAM é uma das propostas valorizadas neste Orçamento, constante na Moção Global da Estrutura, a que se juntam mais verbas para as Bolsas de estudo, uma aposta decisiva na formação e no prolongamento dos programas de estágio e, também, mais apoios ao emprego jovem

A JSD/M congratula-se com a proposta de Orçamento Regional para 2021, que amanhã será alvo de votação final na Assembleia Legislativa Regional, considerando-a uma proposta “de esperança e de novas oportunidades para os jovens Madeirenses”.

Um Orçamento que, inclusive, integra algumas das principais preocupações que a JSD/M tem vindo a defender, inclusive na sua Moção Estratégica, como é o caso da Consulta do Estudante Universitário no SESARAM, que arrancará em 2021.

Do ponto de vista da educação e conforme sublinha a JSD/M, este Orçamento contempla mais 900 mil euros para Bolsas de Estudo – diferenciando os níveis de apoio em função onde os estudantes estejam deslocados – mantém os Programas de formação dos jovens em contexto real de trabalho e cria um novo programa, o Ingress@, que pretende implementar uma política de maior aproximação entre as empresas e os jovens finalistas, assegurando uma primeira experiência de trabalho.

Já ao nível da saúde, destaca a JSD/M, este Orçamento prevê, para além da Consulta do Estudante Universitário e entre outras medidas, o Programa +Visão, para apoio aos jovens na aquisição de óculos, resposta que vai ao encontro das famílias.

Necessidades que também ficam salvaguardadas na área social, com este Orçamento a reforçar as aprovações dos Programas de Estágio e o prolongamento da sua respetiva duração, a aumentar a comparticipação pública nos programas de estágio já iniciados em entidades privadas e a garantir, conforme sempre defendeu a JSD/M, uma compensação social que proteja os jovens que, findo os seus estágios, não fiquem integrados nos postos de trabalho. Isto para além de estar prevista a criação de um novo programa de apoio aos jovens desempregados e empreendedores.

Medidas às quais se associam, também, a diferenciação específica no apoio aos jovens em programas de habitação e a baixa de impostos que, beneficiando todos os Madeirenses, acaba por ser especialmente sentida pelos mais jovens.

JS/M desconhece a realidade da Madeira

“Quando temos uma JS/M que afirma que a Madeira regista as maiores taxas de desemprego, emigração e abandono escolar precoce do país e quando tal não corresponde à verdade, fica claro que esta estrutura não só desconhece a realidade regional como se revela incapaz de contribuir, seja a que nível for, para a sua melhoria”, afirma o Líder da JSD/M e também deputado eleito à Assembleia Legislativa, Bruno Melim, que, a este propósito, esclarece “que a Zona Metropolitana de Lisboa é a região do País com a mais elevada taxa de desemprego, que é nos Açores que se regista a mais alta taxa de abandono escolar e que a Madeira é, do ponto de vista da emigração, a única região do País, a par do Norte e de Lisboa, que contribui para o aumento da população real de Portugal”.

Bruno Melim que, valorizando a proposta de Orçamento Regional para 2021, não deixa de afirmar que, do ponto de vista da redução dos impostos, o PSD só não foi mais longe porque a Assembleia da República chumbou uma proposta do PSD, subscrita também pelos deputados da Madeira, que visava o alargamento do IRS jovem a todos os jovens que auferissem de rendimentos da categoria B.

“Hoje a carga fiscal só não é mais baixa, nos jovens prestadores de serviço (recibos verdes) porque o PS e o PCP chumbaram a referida medida, demonstrando serem contra a iniciativa privada”, vinca.