• jan_21_banner.jpg
Notícias
  Sexta, 18 Dezembro 2020

Deputado insistiu, ontem, junto da Secretária de Estado do Turismo, na necessidade de o Governo da República olhar para a recuperação do setor de forma integrada e apelou a que a Madeira não fique de fora na atribuição dos apoios e fundos nacionais para esse efeito, particularmente no respeitante à promoção

“À semelhança do Governo Regional da Madeira, que tem feito a sua parte e que, inclusive, reforçou, no Orçamento para o próximo ano, as verbas para a promoção turística do nosso destino, importa que o Governo da República também contribua para a recuperação deste setor na Região, incluindo-a nos planos e nos fundos nacionais que venham a ser disponibilizados para esse efeito”. A afirmação é do deputado Paulo Neves que, ontem e junto da Secretária de Estado do Turismo, reiterou a necessidade da Madeira não ser excluída das ajudas nacionais que venham a ser criadas e implementadas para a retoma da atividade turística do País, nomeadamente no respeito à promoção.

“Nesta fase, a recuperação do turismo passa, também, por uma aposta forte e decisiva na promoção dos vários destinos de Portugal, entre os quais se destaca a Madeira”, sublinhou, na ocasião, o deputado eleito pelo PSD/M à Assembleia da República, alertando a Secretária de Estado para a importância de haver, do ponto de vista nacional, uma estratégia integrada e concertada que apoie o setor e toda a sua oferta complementar.

Neste enquadramento, vincou, “a par de todas as verbas que possam ser canalizadas, nesta fase, para a promoção turística do País, entendido no seu todo, é também essencial que a oferta complementar – nomeadamente no respeitante ao alojamento local, às empresas de animação turística, à restauração, às agências de viagens e aos rent-a-car e a toda uma cadeia de valor que interage no setor e na resposta à procura – sejam alvo de uma atenção redobrada”. Tanto mais, reforça, “quando é, precisamente, nesta oferta complementar que se concentra grande parte das empresas em dificuldades e onde a prioridade deve ser a manutenção do serviço e dos postos de trabalho”.

Paulo Neves que, ainda durante a sua intervenção, lembrou que a TAP pode e deve ser um alicerce nesta recuperação do turismo e deu o caso da Madeira, em que a transportadora aérea nacional devia assumir-se como aliada, concretamente ao garantir voos entre o nosso destino e os seus principais mercados emissores como o Reino Unido, a Alemanha, França, Itália e Espanha.