• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Sábado, 21 Novembro 2020

Sara Madruga da Costa destacou, hoje, as propostas ontem aprovadas no primeiro dia de votações no âmbito do Orçamento de Estado para 2021, lamentando que, mais uma vez, os deputados do PS tenham votado contra a Madeira. Uma posição contra os Madeirenses que espera ver alterada quando, na próxima semana, for votada a proposta que diz respeito à Zona Franca

“É com grande satisfação que, ontem, no arranque da discussão e votação no âmbito do Orçamento de Estado para 2021, vimos importantes propostas para a Região, muitas das quais da nossa autoria, serem aprovadas”, referiu, hoje, a deputada Sara Madruga da Costa, numa iniciativa onde deixou claro que os deputados eleitos pelo PSD/M votaram a favor de todas as propostas da Madeira, “demonstrando que se regem pela defesa dos Madeirenses e, não, de qualquer outro interesse partidário”. Isto, frisou, ao contrário daquela que foi a postura assumida pelos deputados do PS que, mais uma vez, “votaram infelizmente contra todas as propostas da Madeira, à exceção da que apresentaram e que votaram a favor”.

Em termos de propostas aprovadas, a deputada destaca aquelas que obrigam o Governo da República, em 2021, a regulamentar o subsídio social de mobilidade, a reduzir as taxas aeroportuárias dos aeroportos da Madeira e do Porto – taxas essas que deverão ser, no mínimo, equivalentes às taxas cobradas nos aeroportos dos Açores – e a permitir que a Madeira possa aceder, na área da Habitação, aos financiamentos e aos programas nacionais. Paralelamente, explica, foram ainda aprovadas a obrigação de investimento, por parte do Estado, nas esquadras da PSP, a garantia do aval ao empréstimo, a transferência para o património da Região do Farol de S. Jorge e o acesso da Universidade da Madeira a fundos europeus.

Sara Madruga da Costa que, pelo contrário, lamenta a reprovação da clarificação do financiamento do novo Hospital da Madeira e a eliminação da dedução ilegítima aos 50% prometidos do valor de duas unidades hospitalares, do ferry, do pagamento das despesas de saúde da Venezuela, da compensação pelos prejuízos do POSEI e dos investimentos e equipamentos necessários para o aeroporto da Madeira e do Porto Santo.

“Lamentamos que, num momento crucial como este – que poderia sustentar a correção de uma séria de injustiças e omissões graves por parte de Lisboa à Madeira – o PS tenha voltado a votar contra e a voltar as costas aos Madeirenses”, afirmou, a este propósito, a Social-democrata, sublinhando esperar que, “pelo menos na votação da nossa proposta da Zona Franca da Madeira, que terá lugar na próxima semana, esta posição venha a ser alterada e o PS vote a favor da Madeira, para que consigamos resolver rapidamente um problema sério, que afeta mais de 6.000 trabalhadores e conseguir fazer aprovar a prorrogação dos benefícios, a partir de 1 de janeiro de 2021”.