• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Quinta, 10 Setembro 2020

Cláudia Monteiro de Aguiar faz chegar carta aos Ministros do Turismo, com pedido de uniformização de regras e financiamento imediato, apelando a uma ação concreta, por parte da Europa, de modo a que a indústria do Turismo sobreviva à crise provocada pela pandemia COVID19

A eurodeputada do PSD Cláudia Monteiro de Aguiar dirigiu uma carta, subscrita pelo grupo de trabalho "Tourism Task Force", da Comissão dos Transportes e Turismo do Parlamento Europeu, à presidência Alemã, com conhecimento dos Ministros do Turismo, relativamente à calamidade que o sector do Turismo e Viagens enfrenta, face à crise provocada pela pandemia.

Na missiva enviada, Cláudia Monteiro de Aguiar assinala as medidas que o Parlamento Europeu aprovou na resolução, no passado mês de junho, ressalvando “a necessidade urgente de regras uniformes, claras e transparentes nas viagens dentro do espaço europeu, de critérios únicos epidemiológicos na abertura gradual das fronteiras e do apoio imediato e também a longo-prazo para as empresas, tendentes a salvaguardar os postos de trabalho”.  

“Lamento que a voz do Parlamento Europeu não tenha sido ouvida e que estejamos a assistir, neste final de verão, a uma descoordenação total na União em matéria de critérios e medidas, já que os Estados-Membros não conseguiram estabelecer regras para os viajantes nem critérios epidemiológicos comuns nem tampouco implementar a realização de testes na origem, salvo raras exceções”, refere a eurodeputada, sublinhando que o mercado interno de cada País ajudou a manter o Turismo em modo "sobrevivência", mas há situações inaceitáveis e caóticas nos aeroportos, nos portos e nos comboios que não fazem sentido aos dias de hoje, após já ter sido feito o diagnóstico a apontadas soluções. “É preciso coragem política para implementar medidas e tomar decisões”, vinca Cláudia Monteiro de Aguiar, realçando que a proposta da Comissão Europeia em relação às restrições à livre circulação devido à pandemia COVID-19, lançada a dia 4 de setembro, “peca por tardia e por ser, apenas, um conjunto de recomendações aos Estados-Membros”. 

Em relação a Portugal, a Social-democrata afirma que "o País não pode continuar a ser prejudicado pela falta de empenho na diplomacia económica intensiva e pela falta de estratégia internacional, nem tampouco por corredores turísticos que, semanalmente, são alterados, sobretudo quando temos regiões que estão ser exímias no controlo da pandemia e que estão aptas a receber de forma segura os seus turistas".

Cláudia Monteiro de Aguiar que considera, por fim, “urgente a existência de apoios financeiros imediatos, através do Fundo de Recuperação e, também, de apoios de longo-prazo no próximo Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027, que valorizem um setor que tem dado muito à economia Europeia e que agora apenas clama por reciprocidade.”