• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Segunda, 7 Setembro 2020

Deputados do PSD/M eleitos à Assembleia da República reuniram, nesta segunda-feira, com o Vice-Presidente do Governo Regional, no sentido de preparar as propostas que serão apresentadas, pela Madeira, ao próximo Orçamento de Estado. Na discussão do referido Orçamento, a ter lugar daqui a sensivelmente um mês, “a defesa da Madeira manter-se-á prioridade”

“Neste cenário de incerteza quanto às ajudas da União Europeia, é fundamental que o Governo da República perceba e assuma, de uma vez por todas, as suas responsabilidades para com a Região e é nisso que iremos insistir, assim que retomados os trabalhos na Assembleia da República e, particularmente, na discussão do próximo Orçamento de Estado”. A afirmação é da deputada Sara Madruga da Costa que, nesta segunda-feira e após a reunião levada a cabo com o Vice-Presidente do Governo Regional, Pedro Calado, fez questão de reiterar a defesa incondicional da Madeira como prioridade, deixando clara a necessidade de haver uma resposta cabal, por parte da República, às necessidades da Região.

“Uma resposta que tarda e que se torna inaceitável, tanto mais quando, até à data, a Madeira ainda não recebeu qualquer ajuda do Estado para fazer face às inúmeras necessidades que tem por colmatar devido à pandemia e quando nem sequer o Governo da República ainda se dignou a conceder o seu aval, que representa uma poupança anual aos cofres da Região na ordem dos 6 milhões de euros”, disse.

Sara Madruga da Costa que é taxativa ao afirmar que as necessidades da Região “não se compadecem com mais demoras” e que, ao contrário de outros, “que pedem a António Costa para não prejudicar a Madeira, o que o PSD tem feito e continuará a fazer, junto da República, é exigir que António Costa cumpra com as suas obrigações enquanto Primeiro-Ministro, relativamente à população da Madeira e do Porto Santo”.

Deputada Social-democrata que sublinha a importância do Orçamento de Estado, na atual conjuntura de recuperação económica. “É crucial que o próximo Orçamento de Estado contemple as ajudas que a Madeira precisa e reivindica desde a primeira hora e outra coisa não é de esperar, quando se afirma que o regresso à normalidade é uma prioridade para o Governo da República”, frisou, acrescentando que é dessa definição das ajudas que em muito dependerá a forma como a Região irá enfrentar os próximos tempos e que os Madeirenses apenas irão exigir, na República, “aquilo a que têm direito”.