• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Segunda, 17 Agosto 2020

Vereadores do PSD eleitos à Câmara Municipal do Funchal defendem mais diálogo por parte do Executivo e apelam a que, em situações excecionais, existam também soluções excecionais. A realização de uma reunião camarária neste mês de agosto, eventualmente antes do Dia da Cidade, “seria um bom exemplo que o Município devia dar”, sublinham

Na semana em que se assinala o Dia da Cidade do Funchal, os Vereadores do PSD eleitos à Câmara Municipal do Funchal reforçam a necessidade de haver uma postura de maior abertura por parte do Executivo às propostas da Oposição e uma outra cultura democrática que coloque, em primeiro lugar, os interesses da população e, especialmente, dos que mais precisam. Um trabalho conjunto que fez falta, conforme explicam, “ao longo dos últimos meses e em plena pandemia, quando, por exemplo, todas as propostas do PSD tendentes a reforçar os apoios aos Munícipes foram chumbadas, mesmo havendo condições para que as mesmas fossem aprovadas e cumprissem o seu propósito”.

Reiterando que “tempos excecionais obrigam a soluções excecionais”, a vereação do PSD insiste na necessidade de haver uma outra capacidade de articulação e critica a falta de espaço que a Oposição, legitimamente eleita para desempenhar o seu papel, acaba por ter nesta autarquia, defendendo, para o futuro, uma nova estratégia que seja capaz de validar o que é melhor para o Funchal, “sem que necessariamente os princípios político-partidários e as ambições eleitoralistas falem sempre mais alto, como infelizmente hoje acontece”.

A este propósito, sublinham, “quando estamos prestes a assinalar mais um Dia da Cidade, seria importante que, antes disso, todos os vereadores eleitos ao Município pudessem ser ouvidos e pudessem fazer um balanço do que foi mais este ano de mandato, num contributo que é salutar e que deve ser encarado à luz do papel que cada um deve desempenhar a favor do concelho e, não, como ameaça ou retaliação ao trabalho que vem sendo feito e que, no nosso entender, poderia ir, a todos os níveis, muito mais longe”.

A realização de uma reunião de câmara durante o mês de agosto “é uma medida há muito defendida pelo PSD e um exemplo de abertura que o Município poderia dar, precisamente antes da celebração de sexta-feira”, argumentam, apelando, ainda, a que estas reuniões, a partir de setembro, sejam de periodicidade semanal e, não, quinzenal como aconteceu várias vezes ao longo dos últimos meses, condenando, desta forma, os munícipes e até os próprios funcionários a atrasos em decisões que lhes são relevantes.