• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Quarta, 15 Julho 2020

“É inaceitável que, perante os problemas já identificados e denunciados, tanto pelos Partidos da oposição eleitos à Câmara Municipal do Funchal quanto pelos próprios comerciantes, o Executivo Municipal se recuse a discutir, na reunião de amanhã, as 9 propostas que o PSD apresentou para colmatar as graves lacunas existentes nos Mercados dos Lavradores e da Penteada, adiando, assim e sem qualquer justificação, soluções que são urgentes e que, neste momento, estão a colocar em causa a própria sobrevivência dos negócios e o rendimento de muitas famílias funchalenses”.

É desta forma que a vereação Social-democrata eleita ao Município do Funchal lamenta a postura “alheada da realidade” que o Executivo socialista mais uma vez demonstra, ao não incluir a discussão das medidas já remetidas ao executivo camarário e que visam apoiar, direta e indiretamente, os concessionários destes espaços, adiando a eventual discussão sobre as mesmas para a próxima reunião camarária “que, a seguir o exemplo que tem vindo a ser assumido nos últimos meses, só deverá acontecer daqui a 15 dias, com a agravante de, em agosto, o Presidente da Câmara não querer reunir”.

Em causa, relembram, estão medidas que visam garantir o apoio direto aos feirantes e a sobrevivência dos seus negócios, mas, também, a revitalização dos mercados e a introdução de medidas tendentes a imprimir uma outra dinâmica comercial aos mesmos.

“Desde a primeira hora que o PSD defendeu a isenção total das rendas até ao final do ano, nestes espaços – medida que o Executivo Municipal chumbou, preferindo optar pelo adiar desse mesmo pagamento para 2021 – e esta é uma solução que em muito ajudaria os nossos comerciantes no presente, desonerando-os de encargos no futuro”, defendem os Social-democratas, considerando esta medida fundamental, dentro das 9 que apresentaram e onde também destacam a alteração, em 2021, do modelo de cobrança dessas mesmas rendas, passando de fixas para uma parte fixa acrescida de uma parte variável, indexada à faturação.

A requalificação e melhoria dos espaços interiores destes Mercados, a criação de um serviço de entregas permanente, a execução dos procedimentos necessários à concessão de espaços devolutos, a aposta na maior promoção e divulgação destes espaços junto dos consumidores e a implementação de medidas tendentes a reforçar a procura (nomeadamente a oferta de estacionamento grátis a quem fizer compras acima de 10 euros) são, a par da criação, no Mercado dos Lavradores, de um mini balcão da Loja do Munícipe (ex. para pagamento da conta da água), algumas das medidas que o PSD pretendia ver discutidas e aprovadas amanhã.

Vereadores do PSD que, ao lado dos comerciantes destes espaços, reiteram a necessidade de haver “uma outra visão e capacidade de resposta por parte do Executivo”, visão essa contrarie a postura de desleixo e de desresponsabilização que dizem ter sido assumida, ao longo dos últimos tempos, pelo Município.