• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Quinta, 25 Junho 2020

O deputado municipal Rafael Carvalho lamentou, hoje, na sessão solene do Dia do Concelho de Santa Cruz, que, mais uma vez o Governo Regional não tenha sido convidado a participar na cerimónia.

“Vivemos em democracia e a democracia ensina-nos a ganhar, mas também nos deve ensinar a saber perder”, disse, salientando que, “cada ato eleitoral, representa a escolha de um povo e aceitar e  respeitar esta vontade é uma virtude que infelizmente não está ao alcance de todos”.

Rafael Carvalho sublinhou que, a “grande verdade é que, apesar de não ser reconhecido pelo atual executivo camarário, o Povo de Santa Cruz pode estar descansado, pois não foi por isso que o Governo Regional da Madeira liderado por Miguel Albuquerque esqueceu ou abandonou o concelho”.

E para comprová-lo referiu “que são muito mais as obras realizados pelo governo do que as obras municipais”, recordando a algumas das que foram realizadas recentemente, como a recuperação dos Centros de Saúde da Camacha e Santa Cruz, a reconstrução e Pavimentação da Estrada Regional 110 Camacha / Santo da Serra, a reconstrução e Pavimentação da Estrada Engº Abel Vieira Caniço / Camacha, a variante ao Centro do Caniço, a construção do Jardim do Garajau, a rotunda das Eiras no Caniço, a canalização de Afluente no Ribeiro Serrão, a reconstrução de passagens hidráulicas entre Santo da Serra e Referta – Machico e Santa Cruz e a reabilitação do complexo desportivo de Gaula e posterior entrega do mesmo ao Juventude de Gaula.

Exemplos de investimento público, a que se juntam os apoios dados diretamente às famílias, como a redução dos passes, a redução das mensalidades nas creches, o KIT Bebé, a redução de impostos em sede de IRS para famílias, empresários individuais e a redução de IRC para as empresas, que, “a exemplo de toda a Região, também beneficia os munícipes do concelho de Santa Cruz”.

Rafael Carvalho sublinhou que, “em pleno ano de 2020, o mundo mudou e todos fomos confrontados com uma pandemia que ninguém esperava, mas que exigiu medidas certas e antecipadas” e, “também aqui, o Governo Regional soube ser exemplo a seguir”.

Foram, assim, definidas três grandes prioridades: Cuidar da saúde; Tratar do Apoio Social; Tratar das empresas e da economia.

“Foram criadas medidas com objetivos muito claros, a ajuda às famílias e a manutenção de postos de trabalho”, disse.

Nesse sentido, houve um reforço de 500 milhões de euros para apoio a famílias carenciadas. Além disso, pensado nos agregados familiares que tendo demonstrado perda rendimento, o Governo Regional criou o Fundo de Emergência Social e, no caso concreto do Concelho de Santa Cruz, a Casa do Povo da Camacha foi a IPSS escolhida para gerir 450 mil euros, tendo já apoiado mais de 300 pessoas.

Rafael Carvalho salientou que “esta medida parece continuar a criar algum ciúme ao JPP e agora também ao PS”.

“É caso para perguntar: Estarão o JPP e o PS mais preocupados com quem entrega ou a preocupação deveria ser com quem recebe?”

O autarca lembrou que, é do conhecimento público que o município pretende contrair um financiamento de dois milhões de euros, esperando que, “uma vez que esta é uma luta de todos”, este montante seja utilizado “para ajudar as famílias necessitadas e, a exemplo de outros concelhos, seja também para apoiar as empresas que mantenham a sua atividade e os seus postos de trabalho, garantindo, assim, mais riqueza e liquidez na economia local”.