• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Quinta, 18 Junho 2020

No dia em que votaram contra as Contas de 2019 da Câmara Municipal do Funchal – criticando a falta de visão e rigor e o desperdício de dinheiros públicos que tem caracterizado a gestão do atual Executivo – os vereadores do PSD viram chumbada mais uma proposta destinada a ajudar os empresários do Funchal. “Quando sobraram 16 milhões nos cofres da autarquia, não se entende este chumbo recorrente a apoios que são essenciais para a cidade”, sublinham

A vereação Social-democrata eleita à Câmara Municipal do Funchal votou contra as Contas de 2019 do Município, por considerar “que é impossível compactuar com a falta de visão, de estratégia e de investimento que têm marcado o atual Executivo mas, também, com o desperdício de dinheiros públicos que fica mais uma vez evidente nas Contas relativas ao ano passado”, conforme vincou a vereadora Joana Silva, no final da reunião de hoje.

Joana Silva que, na ocasião, fez questão de evidenciar o contrassenso que caracteriza a gestão do atual Executivo Socialista: “Estes últimos anos têm sido pautados por uma grande falta de investimento e este ano até é recorde ao nível da falta de execução, o que não faz sentido quando a Câmara aumentou a arrecadação de impostos diretos e indiretos, bem como de taxas, multas e licenciamentos que são cobradas aos munícipes, sem qualquer retorno”, explica, lembrando que, “em 2018, sobraram nos cofres da autarquia 11 milhões de euros e que, em 2019, sobraram 16 milhões de euros, verbas que poderiam ter sido aplicadas num sem número de soluções a favor da população e da cidade, sobretudo nesta altura de pandemia”.

Uma contradição evidente que foi, hoje, novamente reforçada com a vereação do PSD a ver chumbada mais uma proposta apresentada ao Executivo, visando a isenção das rendas nos espaços comerciais concessionados pelo Município para ajudar os empresários e alavancar a economia do concelho. “Não há justificação possível para chumbar um apoio destes, direto, à economia, às famílias e aos empresários, quando sobraram 16 milhões nos cofres da autarquia que não foram utilizados”, insiste a vereadora Social-democrata, lamentando a falta de sensibilidade e de visão com que a Câmara é gerida.

“O PSD todas as semanas apresenta propostas que visam melhorar a qualidade de vida dos munícipes do Funchal, propostas essas que são sistematicamente chumbadas pelo Executivo socialista, sem qualquer critério a não ser político”, reforça Joana Silva, sublinhando que, numa altura como esta, “era fundamental que o Município redobrasse os apoios às famílias e aos empresários para que a economia voltasse a crescer – numa retoma que levará o seu tempo – e para evitar que a cidade continuasse, tal como está e devido às más opções e à falta de estratégia que caracteriza a atual liderança da Câmara, estagnada e sem grandes perspetivas de futuro”.