• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Terça, 9 Junho 2020

“É lamentável que o PS esteja mais interessado em enveredar por manobras dilatórias e em arranjar formas de atrasar um processo que é urgente e da maior importância para os madeirenses, em vez de contribuir para a sua rápida solução”. A denúncia parte da deputada Sara Madruga da Costa que, ontem, na Comissão de Orçamento e Finanças da Assembleia da República, fez questão de manifestar o seu desagrado perante a metodologia de trabalho que estava a ser definida para o debate, na especialidade, das propostas Social-democratas recentemente aprovadas para a Madeira, no parlamento nacional.

“Aquilo que o PSD propôs foi o procedimento normal a seguir, sobretudo em casos de urgência, com a fixação de um prazo, o mais curto possível, para apresentação de propostas de alteração ao texto e foi isso que fizemos, apelando a que o referido prazo terminasse já esta semana, a 12 de junho”, explica a Social-democrata, afirmando que “o PS, pelo contrário e em vez de imprimir maior celeridade a esta questão, pediu um prazo para ouvir diversas entidades, sem todavia indicar quais ao parlamento, tornando incerto e indefinido o termo deste processo”.

Audições que, no seu entender, não fazem qualquer sentido, até porque cada uma das iniciativas já se fez acompanhar dos respetivos pareceres dos órgãos de Governo próprio das Regiões Autónomas, “estando por isso concluídos os preceitos constitucionais e regimentais aplicáveis”.

Denunciando aquilo que considera “mais uma manobra dilatória do PS”, a deputada Social-democrata insiste que, com esta postura, o partido Socialista “acabou por impor, com a sua maioria, uma especialidade mais longa e introduzir uma grande incerteza e indefinição no procedimento, isto para além de ter rejeitado a proposta do PSD que era mais favorável para a Madeira e que se propunha a fechar o processo ainda durante esta semana”.

Lamenta-se, insiste a deputada madeirense, “esta constante postura do partido Socialista contra a Região. Um partido que, mesmo após a aprovação por uma maioria inequívoca no parlamento, continua a tudo fazer para adiar a conclusão da especialidade das iniciativas da Madeira”.

Sara Madruga da Costa que critica, também e a este propósito, a postura dos deputados madeirenses socialistas: “Os deputados do PS eleitos pela Madeira optaram pelo melhor de dois mundos: estar a bem com a Madeira e a bem com o PS nacional e com o Governo Socialista e, talvez por isso, não estiveram presentes na reunião da Comissão e aparentemente nada fizeram em relação a esta matéria”, rematou.