• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Segunda, 8 Junho 2020

O PSD viu aprovadas todas as propostas que hoje apresentou na Assembleia Municipal Extraordinária da Câmara Municipal do Funchal, também por si convocada. Facto que o Social-democrata João Paulo Marques enaltece, lamentando, em sentido inverso, a falta de respeito e de sentido democrático do Presidente do Executivo que, não só boicotou a reunião, como preferiu ausentar-se da discussão e criticar, a vários níveis e à margem dos trabalhos, medidas que visam o que é melhor para os Funchalenses, na altura em que o Município mais precisa

“Na hora em que os Funchalenses mais precisam e dada a falta de resposta de um Executivo que, para além de nada fazer, tem receio de aceitar sugestões e não convive bem com a crítica, apresentámos e, felizmente, conseguimos fazer aprovar um conjunto de soluções que vão, efetivamente, melhorar a vida das nossas famílias e empresas e é essa a nossa principal motivação”. É desta forma que o deputado municipal João Paulo Marques começa por comentar a aprovação de todas as propostas apresentadas, pelo seu Partido, nesta Assembleia Municipal Extraordinária, acrescentando que esta aprovação, “sem votos contra, deixa claro que as medidas eram válidas e necessárias ao Município”.

João Paulo Marques que, lamentando “a postura de um Presidente que teima em estar mais preocupado em atacar quem apenas e tão só contribui para a cidade, cumprindo o seu legítimo dever de cidadania, em vez de estar mais atento e empenhado em resolver os problemas que afligem, neste momento, milhares de famílias e empresas funchalenses”, insiste que seria importante ao Executivo Municipal perceber “que esta Assembleia Municipal não é sobre o PSD mas, sim, sobre o futuro do Funchal, da cidade que deveria saber gerir e dos munícipes que tem a obrigação e o dever de saber acautelar”.

Aliás, “a falta de argumentos do Executivo é gritante quando este recorre ao passado para justificar o que não fez nos últimos anos e o que não vai fazer, certamente, neste e no próximo ano, numa falta de compromisso com os Funchalenses que é inaceitável em qualquer altura mas, em particular, nesta fase difícil”, reforça o deputado municipal, garantindo que “não é por esta via do ataque demagógico que o PSD se deixará calar ou baixará os braços perante o que tem sido, sem margem de dúvida, uma gestão irresponsável, insensível e ineficaz face aos inúmeros problemas da cidade”.

Ironizando, João Paulo Marques vai mais longe: “O PSD não quer dar lições de gestão a ninguém, só quer e defende, em todas as circunstâncias, o que é melhor para o Funchal, mas, mesmo que quisesse, era preciso que o Presidente da Câmara soubesse ouvir, algo que, como fica evidente para todos, não sabe”.

“Esta é a hora em que a cidade mais precisa dos seus deputados municipais e da sua Assembleia Municipal precisamente para que, em sede própria, sejam apresentadas propostas que vão ao encontro das necessidades das pessoas mas, também, das empresas”, sublinha João Paulo Marques, assumindo o compromisso, em nome do seu Partido, de “controlar e fiscalizar a aplicação destas medidas, para que elas realmente sejam executadas pela autarquia e, não, desrespeitadas como outras tantas propostas que foram aqui validadas”.

A criação de um Fundo de Apoio ao Comércio Local do concelho, a criação de um Programa de Emergência para a Cultura, a Isenção de Taxas Municipais às Instituições Particulares de Solidariedade Social e a Isenção do IMI aos proprietários cujo rendimento tenha sido afetado, negativamente, em pelo menos 30%, como resultado da pandemia da COVID-19, foram as propostas do PSD aprovadas nesta Assembleia Municipal Extraordinária.