• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Sábado, 2 Maio 2020

O Grupo Parlamentar do PSD Madeira elogiou, hoje, o comportamento exemplar dos porto-santenses que permitiu que o Porto Santo seja agora uma ilha livre do Covid-19.

Uma realidade que, segundo o deputado Bernardo Caldeira, também se deve às medidas atempadas do Governo Regional, que, desde a primeira hora, e "em articulação com as autoridades locais, Câmara Municipal e Junta de Freguesia, delineou apoios específicos para a ilha do Porto Santo".

O deputado destaca a linha de crédito Invest RAM 2020 Covid-19, "onde, mais uma vez, por parte do Governo Regional, foi definida a especificidade da ilha do Porto Santo, contendo duas diferenciações fundamentais em relação à ilha da Madeira": o facto de a quebra da faturação ser registada nos 15% ao invés dos 40% para a ilha da Madeira e dessa quebra poder ser avaliada, comparativamente, ao período homólogo referente ao ano de 2019.

"Consideramos que esta discriminação positiva é fundamental para uma economia frágil e sazonal e é fulcral para a manutenção de postos de trabalho", disse Bernardo Caldeira, que referiu ainda as "importantes reuniões realizadas pela Vice-Presidência com os empresários porto-santenses, por videoconferência, onde foram esclarecidas algumas questões e recolhidos importantes contributos".

"É uma política de proximidade, num evento ímpar, à qual entendemos ser importante dar continuidade", salientou Bernardo Caldeira, realçando também as medidas de apoio excecionais relativas à Covid-19, implementadas pela Segurança Social, assim como o contrato-programa realizado entre a Secretaria Regional de Inclusão e Cidadania e a Fundação Nossa Senhora da Piedade, relativamente ao Fundo de Emergência Social, para fazer face às consequência socioeconómicas resultantes desta pandemia, apoiando-se, assim, as família mais afetadas por esta situação.

O deputado manifestou ainda a esperança de que se continue a registar uma evolução positiva relativamente à Covid-19 para que o Porto Santo se possa abrir, numa primeira fase, ao mercado regional, por forma a que o tecido empresarial sinta esse impacto. "Mesmo não resolvendo tudo, será, sem dúvida, um contributo importante", adiantou.