• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Quinta, 12 Março 2020

“É lamentável que, num estado de direito e em democracia, tenhamos de assistir a atitudes desta natureza, unilaterais e prepotentes, que apenas confirmam que quem governa este Município não tem qualquer capacidade para aceitar opiniões diferentes ou de trabalhar em articulação com a Oposição, em nome do bem comum e do que é melhor para o Funchal”.

É desta forma que os vereadores Social-democratas justificam aquela que foi uma posição de força, assumida nesta quinta-feira, ao abandonarem a reunião semanal, enquanto a mesma decorria, quando viram as suas propostas serem “alteradas e desvirtuadas”, sem qualquer palavra ou explicação do Executivo socialista, “numa postura de total desrespeito que não pode passar em claro”.

“Os vereadores do PSD/M tiveram de abandonar a reunião de Câmara enquanto esta ainda decorria devido ao gritante défice democrático que se vive nesta casa”, explicou, à saída, a vereadora Social-democrata Joana Silva, lamentando que as preocupações do PSD, que todas as semanas são expressas junto deste Executivo, “não sejam tidas em conta ou sequer respeitadas nos seus propósitos, quando resultam, precisamente, da auscultação dos próprios Munícipes que estão cansados de serem ignorados nas suas necessidades e nos seus direitos”. Isto quando a autarquia “não se apropria das mesmas”, acrescenta.

“Não é aceitável que o PSD traga propostas a esta casa e que a vereação socialista, na hora de votar, apresente alterações que desvirtuam por completo a base inicial que apresentamos, sem nada dizer ou justificar”, prossegue Joana Silva, lembrando que esta falta de respeito para com os vereadores Social-democratas é, acima de tudo, “uma falta de respeito, deste Executivo, para com todos aqueles que nos elegeram para cumprir a nossa missão e que são, também, cidadãos desta cidade, com os mesmos direitos daqueles que votaram no PS ou noutra força partidária qualquer”.

“Não podemos compactuar com este tipo de atitudes e exigimos respeito pela democracia e que se respeitem, também, as pessoas que estão aqui, democraticamente eleitas, pelos Funchalenses”, rematou a vereadora do PSD.

Recorde-se que a vereação Social-democrata apresentou, hoje, na reunião de Câmara, uma proposta que visava a compensação aos comerciantes e agentes económicos afetados pelas Obras da Consolidação Estrutural da Encosta Sobranceira à Estrada Comandante Camacho de Freitas, desde a rotunda do Encontro ao Caminho dos Saltos. Uma proposta que tinha por objetivo compensar os graves prejuízos que estes comerciantes têm enfrentado, perante intervenções que a autarquia estimava concluir no ano passado e que, ainda hoje, se mantêm no terreno, compensação essa que o Executivo, fugindo às suas responsabilidades, mais uma vez quis imputar ao Governo Regional, em nada envolvido neste processo.