• Captura de ecrã 2019-11-16, às 18.08.09.png
Notícias
  Sábado, 30 Novembro 2019

“O PSD não irá pactuar com a sobrevivência, muito menos orçamental, de uma Câmara que não tem rumo nem estratégia. Quem se coligou com esta força que está a governar a Câmara é que tem de apoiar a vereação e a atual presidência, não o PSD”. Foi desta forma que Miguel Albuquerque deixou clara a posição do seu Partido quanto à votação do Orçamento da Câmara Municipal do Funchal que terá lugar na próxima segunda-feira. Uma Câmara que, conforme disse, “está num estado vegetativo e de estagnação”.
“Temos uma Câmara Municipal que elegeu um Presidente que saiu, que era supostamente governada por uma coligação que se desfez e que neste momento está sem rumo”, reforçou, a este propósito, Albuquerque, sublinhando que “não é só a falta de capacidade de resposta da autarquia que está em causa, é a degradação da cidade que é visível aos olhos de todos e a falta de resposta para as necessidades prementes dos cidadãos, também notória para toda a gente”.
O PSD “não vai pactuar com um Orçamento que é contrário aos nossos princípios. Nós lutamos por uma Câmara cosmopolita, aberta, uma Câmara que aposte no desenvolvimento da cidade e que baixe os impostos e o que se passa, neste momento, é precisamente o contrário”, frisou.