• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Sexta, 4 Outubro 2019

“Nos últimos quatro anos, os deputados socialistas eleitos pela Região votaram contra cerca de 100 propostas apresentadas pelo PSD/M, na Assembleia da República. Propostas que visavam a defesa e a afirmação dos nossos direitos, que foram reprovadas apenas e só por razões político-partidárias, em detrimento do interesse superior de todos os Madeirenses e Porto-Santenses”. A denúncia é da candidata Sara Madruga da Costa que, neste último dia de campanha, assume não entender a postura do cabeça-de-lista do PS/M às Legislativas nacionais, “quando este se tenta apropriar do trabalho dos outros e, neste caso, do PSD, mentindo nas conquistas que diz suas e que, como fica provado, só prejudicou”.

Candidata Social-democrata que vai mais longe ao afirmar que o socialista Carlos Pereira, em vez de se vangloriar com o trabalho do PSD e  de apelar ao voto para reforçar a força anti-Madeira do seu partido, na República, intitulando-se como "o guardião da Autonomia, “devia era pedir desculpa a todos os Madeirenses e Porto-Santenses pelo que fez, ao longo destes últimos quatro anos”.

É que, segundo explica, para além dos deputados socialistas eleitos pela Madeira terem votado contra estas cerca de 100 propostas, “foram também coniventes, nestes últimos quatro anos, com a viabilização de Orçamentos de Estado extremamente penalizadores para a Região e foram, inclusive, incapazes de apresentar uma única proposta a favor da Madeira ao último Orçamento de Estado”.

Números que, só por si, “deveriam envergonhar os socialistas e qualquer deputado eleito para defender os interesses de uma Região que não raras vezes relegaram para segundo plano, depois de passar a Ponta de São Lourenço”, reforça Sara Madruga da Costa, vincando que estes factos “deitam por terra a campanha ficcionada dos socialistas, levada a cabo para as Legislativas do próximo dia 6 de outubro, socialistas que se dizem os melhores para defender a Madeira e o Porto Santo em São Bento, quando não foi isso que fizeram, em momento algum, ao longo do último mandato”.

Em sentido inverso, lembra, “os deputados do PSD/M na Assembleia da República estiveram, sempre, ao lado dos Madeirenses e Porto-Santenses, defenderam sempre as suas causas e chegaram, inclusive, a fazer aprovar, em São Bento, leis que resolveram problemas reais da população, como é o caso dos funcionários públicos da Ribeira Brava” (iniciativa da autoria do PSD aprovada pelo PCP e pelo BE).

Ao contrário de outros “que vivem da propaganda, de Outdoors e de cartazes como aqueles que foram divulgados na tentativa de enganar os Madeirenses, anunciando que o financiamento do novo Hospital da Madeira e que o apoio do Estado aos incêndios estavam assegurados – quando, quatro anos depois, continua tudo na mesma – o PSD/M promete, luta e cumpre e será assim que continuará a pactuar a sua intervenção na República”, garantiu Sara Madruga da Costa, sublinhando que, “pese embora a cosmética, o PS, na hora da verdade, mostra sempre aquilo que é: um partido contra a Madeira”.