• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Quarta, 2 Outubro 2019

“Nos últimos quatro anos, os deputados socialistas eleitos pela Madeira à Assembleia da República nunca estiveram ao lado da Região nem muito menos defenderam os interesses dos Madeirenses e Porto-Santenses, embora tivessem essa obrigação e esse dever”. É desta forma que Paulo Neves, candidato do PSD/M às Legislativas do próximo dia 6 de outubro, sublinha a falta de responsabilidade e de compromisso que os deputados do PS/M, na anterior legislatura, evidenciaram, assumindo um papel “que, a vários níveis, deixou claro que a solidariedade para António Costa foi sempre superior à solidariedade que tinham de ter com o povo madeirense que os elegeu”.

Paulo Neves que lembrou, hoje e entre muitos outros exemplos, a recente aprovação do Plano Nacional de Investimentos, um plano que deixou de fora a Madeira com a conivência do PS e dos seus respetivos deputados.

“Convém lembrar, numa altura em que muitos dizem o contrário, que o Governo da República decidiu aprovar o chamado Plano Nacional de Investimento, num valor de 22 mil milhões de euros para dez anos, mas não quis incluir a Madeira”, sublinhou o candidato, frisando que as áreas que constam deste Plano – nomeadamente a energia, a mobilidade, as infraestruturas e o ambiente, entre outras – são áreas estratégicas para a Região e nas quais existem inúmeros projetos em curso e a desenvolver que deviam estar integrados e devidamente apoiados, dentro do todo nacional.

“Nós, deputados do PSD, denunciámos esta situação e, nos próximos quatro anos, continuaremos a lutar, na Assembleia da República, para que estas situações sejam corrigidas, mas, sobretudo, para que sejam evitadas. Não é justo e não é sério o Partido Socialista excluir a Madeira e o Porto Santo de um Plano que se diz nacional”, reforçou o candidato, evidenciando, com isso, mais “uma injustiça do Partido Socialista que foi apoiada pelos deputados eleitos pelo PS da Madeira na República”.