• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Quarta, 18 Setembro 2019

“Alguém acredita num governo formado por socialistas e comunistas? Estaremos dispostos a votar em alguém que não passa de uma barriga de aluguer de António Costa, alguém que não tem um projeto ou programa a não ser entregar o poder a Lisboa?”, questionou Miguel Albuquerque, numa noite em que, mais uma vez, vincou a importância de uma votação expressiva, a 22 de setembro, no PPD/PSD, para que o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido, a favor de todos os Madeirenses e Porto-Santenses, possa ter continuidade.

“Não há soluções alternativas, ninguém muda para pior e o grande desafio que temos, a 22 de setembro, é o de escolhermos um Governo que, com estabilidade, continue a governar a nossa Região”. A afirmação é de Miguel Albuquerque que, esta noite, naquele que foi o penúltimo Comício da campanha do PSD/Madeira nas Regionais, fez questão de lembrar a necessidade do seu Partido alcançar “uma votação expressiva”, numa escolha clara pela única força política capaz de garantir estabilidade, desenvolvimento, investimento, crescimento económico, paz social e melhor qualidade de vida para toda a população.
“Ninguém quer andar para trás e ai de nós se cometermos o erro de apoiar forças políticas que representam a instabilidade, o distúrbio e a estagnação política, social e económica”, reforçou o Presidente do PSD/M, garantindo saber que não é isso que os Madeirenses e Porto-Santenses querem para o seu futuro e para o futuro dos seus filhos.
“Estas eleições não são nenhuma brincadeira de partidos”, reforçou o líder dos Social-democratas, lembrando que não é com coligações de esquerda, nem com partidos que são contra tudo o que a Região conquistou nos últimos 43 anos, que se garante o desenvolvimento futuro que todos merecem.
Socialistas e comunistas “que são contra o investimento, contra o desenvolvimento, contra quem cria e mantém empregos e contra a estabilidade e a paz social que conhecemos”, alertou Albuquerque, afirmando que, mais do que nunca, tem de haver, um partido com maioria que governe com estabilidade, que continue a garantir o desenvolvimento económico e social, com rumo.
“Temos um Governo Regional que, nos últimos quatro anos, devolveu rendimento às famílias, baixou os impostos, reduziu o preço das creches e dos passes sociais, reforçou os apoios à educação e à saúde, sustenta o crescimento económico há 72 meses consecutivos e, ao mesmo tempo, foi capaz de consolidar as suas contas públicas”, frisou.

Ao contrário de outros, alegou, “que só têm conversa fiada e que nunca nada fizeram pela Madeira nem pelo Porto Santo, o nosso Partido tem trabalho feito, tem um projeto que é sério e responsável, e que garante o melhor para todos.”

 
“Se a Câmara não trabalha, eu vou fazer o trabalho da Câmara”

Referindo-se a Machico, o líder dos Social-democratas lembrou que todas as suas promessas foram cumpridas, assumindo o compromisso de continuar a trabalhar em nome de cada uma das freguesias do concelho e vincando que o PSD/M foi e continuará a ser a única força política capaz de trazer desenvolvimento e investimento para Machico.
“Já que temos uma Câmara que não trabalha, eu vou fazer o trabalho da Câmara. Vou começar a trazer novos investidores para o Concelho e vou garantir que se abram novos hotéis, e que surjam novas oportunidades para quem aqui vive”, assegurou.
Miguel Albuquerque que, apelando ao voto dos Machiquenses, afirmou que o PSD/M não se verga e que, “acima do Partido, está o Povo, estão os Madeirenses, os Porto-Santenses e a defesa da autonomia, contra tudo e contra todos.”