• Captura de ecrã 2019-08-29, às 17.15.49.png
Notícias
  Quarta, 11 Setembro 2019
A Candidatura do PSD às Eleições Regionais de 22 de setembro denunciou hoje “as promessas falsas do Governo socialista de Lisboa, com a conivência dos socialistas da Madeira”, em matéria de mobilidade, quer a aérea, quer a marítima.

Numa iniciativa realizada junto à rampa do ‘ferry’, Pedro Calado afirmou que, “no que toca à mobilidade aérea, andam a prometer resolver o problema das passagens aéreas”, o que disse ser “uma falsa promessa, porque já estamos há três anos a aguardar que o Governo da República faça a revisão do subsídio social de mobilidade e, até agora, nada feito”. Apenas prometeram “resolver só para o ano, para 2020”, salientou o candidato, referindo que está é “uma falsa promessa” a pensar nas eleições regionais e nacionais.

“A única entidade responsável e que zelou pelos interesses dos madeirenses foi o Governo Regional da Madeira, que fez a proposta do Estudante Insular, que fez com que os estudantes madeirenses pudessem hoje, nas suas candidaturas ao ensino superior, beneficiar de preços mais baixos e fez com que os estudantes madeirenses pudessem, na altura do Natal, estar no conforto das suas famílias, a preços de 65 euros e não dos 400 e 500 euros como o Governo socialista queria impor aos madeirenses e aos porto-santenses.”

Pedro Calado lembrou que este Governo da República chumbou todas as propostas que foram apresentadas pelo Governo Regional ao apoio da mobilidade aérea, “atirando para a frente uma falsa promessa, na expetativa de que os madeirenses e os porto-santenses se deixassem enganar agora com as eleições”.
 
O candidato garantiu que o PSD/Madeira não vive com promessas. “Prometemos e concretizamos. Foi aquilo que nós fizemos em relação às viagens dos madeirenses e que agora queremos alargar para todos os madeirenses.”

Para  Pedro Calado é uma “vergonha” que o Governo do PS esteja a utilizar a mobilidade aérea para “financiar companhias como a TAP e a SATA, à conta dos madeirenses”. “Isso sim é que é ruinoso”, acrescentou.

No que diz respeito à mobilidade marítima, salientou que “tivemos o Governo socialista a se vangloriar que iria assumir os encargos com esta operação”, quando durante três anos não o fez. Os mesmos três anos em que a Região esteve à espera que fosse assinada a portaria para a mobilidade marítima, que permitisse aos madeirenses aceder a tarifas mais baratas. 

“Quem pagou e proporcionou, durante três meses, foi o Governo Regional da Madeira e o PSD. Nós pagámos com o Orçamento da Região o ‘ferry’ para estar a operar durante este período de tempo”, disse.

De acordo com o candidato, só depois de o Governo socialista ver que foi uma boa aposta, “veio prometer que afinal já ia pagar o ‘ferry’ o ano inteiro para a Madeira”, tendo chegado “ao desplante de anunciar já um estudo para o local em Lisboa onde o ‘ferry’ pudesse atracar”. Pedro Calado afirmou que esta é também “uma promessa vã”, uma vez que o Governo Regional pediu nos últimos dois anos ao Governo da República para que fosse indicado esse lugar. “Nunca estiveram disponíveis para fazer esse estudo, nunca estiveram disponíveis para apoiar rigorosamente nada, inclusivamente apareceram em Portimão a fazer uma festa com a nossa operação como se fosse o Governo socialista a pagá-la.”

Ou seja, adiantou, tudo não passa de “promessas falsas”, deixando o alerta ao madeirenses e porto-santenses para que vejam quem os ajudou e quem tem estado ao seu lado