• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Quinta, 5 Setembro 2019

No comício desta noite, realizado na Ponta do Sol, freguesia dos Canhas, Miguel Albuquerque voltou a pedir a maioria no Partido Social-democrata, o único partido capaz de governar a Madeira no rumo certo, garantindo acreditar que “o povo sabe bem o que está em jogo, a 22 de setembro”.

Sobretudo “no concelho da Ponta do Sol, um concelho que nunca se enganou e que sempre foi um concelho social-democrata”, vincou, reiterando o seu compromisso na defesa da Autonomia e de tudo o que foi conquistado, ao longo dos últimos 43 anos.
Nestas eleições de 22 de setembro, “está em causa a liberdade, a nossa autonomia e o nosso desenvolvimento e o povo Madeirense sabe bem que jamais poderá entregar o poder aos socialistas e a Lisboa, porque isso seria regressar ao passado”, ao tempo em que a nossa população não tinha acesso à saúde, à educação, à cultura, às infraestruturas e a tudo o que, com muito esforço e trabalho, os Madeirenses e Porto-Santenses souberam construir.
Um património que o líder dos Social-democratas confia que não será perdido nem entregue aos socialistas, até porque, tal como no passado, também agora “é o povo Madeirense que manda na Madeira e não Lisboa”, disse.
“E é por isso que vamos vencer as Eleições a 22 de setembro”, afirmou, sublinhando que “o PPD/PSD tem obra feita em prol da população” e tem uma equipa de homens e mulheres capazes de governar, “ao contrário dos socialistas que nem são verdadeiros e que não passam de um conjunto de mandatários de António Costa, que quer mandar em todo o país e só lhe falta a Madeira”.

“Não comparem uma Câmara que nunca fez nada com uma Câmara que fez tudo pela população da Ponta do Sol” 

Aludindo ao mandato de Rui Marques à frente da Câmara da Ponta do Sol, Miguel Albuquerque lembrou que, durante doze anos, este concelho foi alvo de uma obra extraordinária, em todos os setores. “E o que temos agora? Conversa fiada, desculpas de mau pagador e conversa de que a culpa é sempre do Governo Regional para disfarçar a sua incompetência”, sublinhou.
Miguel Albuquerque que, mais uma vez, deixou claro que tudo o que o seu Partido prometeu, cumpriu e que se hoje a Madeira tem as finanças públicas em ordem, crescimento económico e a taxa de desemprego mais baixa desde os últimos 8 anos, isso deve-se à governação Social-democrata. Assim como a redução dos impostos para as famílias e empresas, o reforço dos apoios sociais e na saúde e os apoios que foram reforçados às empresas e à agricultura.
“Não vamos pôr tudo isto em causa para entregar o poder a socialistas e comunistas que só querem destruir tudo o que foi conquistado para voltarmos para trás”, reforçou, lembrando que o PPD/PSD sempre foi “um partido de homens e mulheres que tiveram a coragem da transformação, a capacidade de mudar a realidade e de vencer os obstáculos e as adversidades”, contra “o centralismo de Lisboa que durante anos nos abandonou e nos renegou para segundo plano.”
“Vamos pensar na nossa bandeira, nos nossos antepassados, em duas gerações de autonomistas que construíram uma Madeira moderna, livre, desenvolvida, justa e onde todos têm o seu lugar. O nosso partido e o nosso povo não se rendem e nunca trairão os seus princípios e a sua identidade”, rematou.