• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Quinta, 29 Agosto 2019

Perante uma sala cheia, Miguel Albuquerque apresentou o programa eleitoral do PSD/M às eleições regionais de 22 de setembro, esta quinta-feira, na sede da Rua dos Netos. Um Manifesto que se divide em 7 grandes prioridades, a primeira das quais relacionada com a defesa incondicional da Autonomia, “aquela que foi a conquista histórica mais importante da Madeira”, contra as ofensivas centralistas do Estado Português. Uma luta que Miguel Albuquerque assume “como prioritária”, em nome da defesa dos direitos dos Madeirenses e Porto-Santenses. 

O PSD/M “irá encostar ou pôr os partidos da esquerda e os partidos do socialismo entre a espada e a parede, até porque quem está com a Madeira tem de aceitar o alargamento dos direitos legislativos da nossa Assembleia Legislativa, tem que aceitar que a autonomia política precisa de mecanismos mais alargados e mais flexíveis”, sublinhou, aludindo, neste enquadramento, à necessidade da revisão da Lei das Finanças Regionais e à consagração do Sistema Regional próprio da Região.

 Presidente do PSD/Madeira que foi muito claro ao afirmar que “quer na revisão do Estatuto Político-Administrativo, quer na Revisão Constitucional, deve ser respeitado o princípio da continuidade e da coesão territorial, por parte do Estado”, o que se traduz, no Manifesto proposto pelo PSD/M. Ou seja, na necessidade de garantir que o Estado assuma as suas obrigações no que toca à mobilidade aérea e marítima entre as ilhas e o continente, não apenas de parte do custo do transporte de pessoas e mercadorias mas, também, na mobilidade digital, tendo em conta o investimento que a Região está a fazer, por cabo, entre a Madeira e o Continente. Isto porque, no quadro dos territórios digitais, a Madeira não pode ser prejudicada, salientou.

Os Princípios da Coesão e da Continuidade Territorial também deve ser assumido a nível das competições desportivas, “até porque os atletas da Madeira devem ter o direito de competir em igualdade de circunstâncias que os atletas do continente”, assim como no que toca à cultura e ao desporto.

“Vamos ver quem é que a favor da Autonomia da Madeira e quem é que é a favor dos direitos dos Madeirenses e Porto-Santenses”, frisou Miguel Albuquerque, lembrando que muitos dos que se dizem a favor da Autonomia e dos nossos direitos são os primeiros a chumbar todas as propostas feitas pelo PSD/M, tendentes a garantir essa mesma defesa.