• Captura de ecrã 2019-08-29, às 17.15.49.png
Notícias
  Sábado, 13 Julho 2019

"Com o PSD e a JSD, a Madeira continuará a ser dos Madeirenses e Porto-Santenses, continuará a ter a sua autonomia e os direitos da sua população salvaguardados e continuará, também, a prosperar e a garantir qualidade de vida para todos os cidadãos, sendo defendida, em todas as linhas e momentos, contra aqueles que querem voltar ao passado. Ao tempo em que a Região não passava de uma colónia onde os madeirenses viviam subjugados ao poder central". O Presidente do PSD/Madeira, Miguel Albuquerque falava esta tarde, na abertura do Conselho Regional da JSD/Madeira, fazendo questão de sublinhar a importância desta estrutura não apenas no combate político e na sensibilização das novas gerações para a política, mas, também, na formação de quadros que "garantam o futuro".

Reiterando a sua confiança nesta estrutura e perante uma plateia cheia de jovens, Miguel Albuquerque aproveitou para reforçar a necessidade, agora e mais do que nunca, de defender os interesses da população da Madeira e do Porto Santo, lembrando que a Região é, hoje, "o resultado do trabalho, da persistência e da coragem de duas gerações social-democratas que não tiveram medo de lutar em nome do progresso, do desenvolvimento e da autonomia, contra o centralismo e os centralistas de Lisboa".

Enumerando as diversas vantagens resultantes do processo autonómico – em contraponto a uma Região que, vivendo abandonada e explorada pelo poder central, era das mais atrasadas, mais pobres e com mais preconceito social do país – o Presidente do PSD/Madeira lembrou aos jovens que essa realidade não pode voltar ao presente e que está em cada um de nós a capacidade de garantir que a Madeira continue o seu rumo, aquele que foi construído ao longo das últimas quatro décadas.

"Graças à autonomia, deixámos de ser uma ilha adjacente e uma população subordinada às prepotências e aos caprichos do poder central – que abandonava a Madeira e que menosprezava o nosso povo – para sermos nós próprios a conduzir o nosso próprio destino", frisou, na ocasião, o líder dos sociais-democratas, garantindo que tal como no passado, a bipolaridade política mantém-se no presente.

"De um lado, está o PSD/Madeira, um partido que sempre defendeu a Autonomia e o seu alargamento, assim como o alargamento dos princípios do autogoverno para a Madeira. Do  outro lado, [está] a esquerda ressentida, derrotada e centralista, subordinada a Lisboa, que tem preconceitos e vergonha daquilo que o madeirense consegue», afirmou, reforçando, ainda, que «temos um Partido Socialista que sempre foi derrotado na Madeira, que nunca conseguiu compreender aquelas que eram as necessidades e as aspirações intrínsecas da população da Madeira e que nunca conseguiu entender que o principio de tratar a Madeira como uma colónia não corresponde ao que os Madeirenses e Porto-Santenses querem".

"É por isso que esta esquerda sempre foi derrotada e continuará a ser", asseverou.

Apelando ao esforço, ação e intervenção da JSD/M no terreno, junto da população, Miguel Albuquerque garantiu que é com todos que irá vencer nas próximas eleições e lançou o desafio para que se explique às novas gerações "que a Madeira das vias rápidas, a Madeira tecnológica, a Madeira dos 47 centros de saúde, a Madeira que cresce há 70 meses consecutivos na sua economia, a Madeira que atualmente exporta mais do que importa, que tem o melhor sistema de saúde do país e que continua a prosperar e a facultar aos seus cidadãos qualidade de vida não existia no passado e é uma conquista do PSD/M e do Governo Regional, que sempre soube estar, tal como agora, ao lado da sua população na defesa dos seus interesses".