• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Domingo, 7 Julho 2019

O PSD/Madeira está de parabéns porque conseguiu pôr sobre a mesa o dossier da mobilidade da Região para ser discutido e aprovado na Assembleia da República, apesar dos entraves colocados pelo PS regional, nacional e pelo Governo de Lisboa.

“Esta é uma grande vitória do PSD/M que conseguiu finalmente pôr o sistema de mobilidade em ação no País”, apesar do atraso que “é da inteira responsabilidade do Governo da República e do Partido Socialista da Madeira, que meteram a legislação na gaveta”, onde “queriam que ficasse até o fim da legislatura”, disse este domingo Paulo Neves, ao lado de Sara Madruga da Costa, durante uma Conferência de Imprensa que decorreu no Funchal.

“Não tiveram sorte, porque o PSD/Madeira foi buscar à gaveta e exigiu que finalmente, mesmo com atraso, se resolvesse esta questão da mobilidade” referiu o deputado social-democrata na Assembleia da República, explicando que esta medida seria viabilizada mesmo sem o voto do PS, que só agora resolveu se juntar às restantes bancadas. “Por eles (socialistas e Governo Central) esta medida nunca seria discutida nem nunca seria aprovada”, continuou, destacando que o PS cedeu à pressão que o PSD tem feito nos últimos três anos.

Sobre o Centralismo de Lisboa, Paulo Neves é peremptório: “Centralista é o Governo da República. O PS na Madeira é um partido centralista obediente, porque faz tudo o que o Partido Socialista a nível nacional manda fazer”. A verdade, referiu, é que o PS local só agora se diz a favor do novo sistema de mobilidade para a Madeira, porque o PSD/M assim o exigiu.

“Não é por nós termos Autonomia que o Governo da República não tem responsabilidades para com a Madeira. A questão da mobilidade é da inteira responsabilidade do Governo da República, que tem de criar as condições para os portugueses circularem em todo o território nacional”, rematou.