• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Sexta, 26 Abril 2019

A Comissão Política do PSD/Caniçal denuncia o comportamento "irresponsável e incompetente" do executivo da Junta de Freguesia local pela maneira como geriu o pacote financeiro do protocolo de apoio estabelecido com a Câmara Machico, ao nível da delegação de competências. "A autarquia não aproveitou toda a verba disponibilizada pelo município, ficando-se por pouco mais de 3.000 euros", acusa.

Os social-democratas dão o exemplo da freguesia do Santo da Serra, que recebe muito menos que o Caniçal, mas que executou mais de 6.000 euros, e da freguesia do Porto da Cruz, que recebe um pouco mais, onde a execução foi de cerca de 11.000 euros.

Para os autarcas e dirigentes do PSD/Caniçal, esta situação torna-se ainda "mais lamentável perante a explicação do Presidente da Junta, que assumiu, em reunião da Assembleia de Freguesia, que ainda está num período de adaptação à governação da freguesia e aos trâmites políticos, demonstrando uma imaturidade e falta de competência para exercer as funções para as quais foi eleito".

Mais caricato, acrescenta o PSD, é o facto de serem apresentados e aprovados, pela maioria socialista, votos de congratulação, na Assembleia de Freguesia, por atividades que ainda nem foram realizadas, ao mesmo tempo que se rejeita propostas de apoio social, da autoria social-democrata, como é disso exemplo um apoio à natalidade, no valor de 250 euros por nascimento.

O PSD/Caniçal estranha também o facto de, passados quase dois anos, a Junta não ter iniciativa própria nem apresentado plano de atividades. Aliás, referem os social-democratas, o investimento prioritário do presidente foi um computador de secretária para o seu gabinete.

Até à data, acrescenta o PSD, não foi realizada nenhuma atividade de relevo direcionada à juventude do Caniçal, nem se deu continuidade àquela que mais jovens mobilizou durante mais de vinte anos: o “Torneio de Futebol de Verão”.

Para o PSD, estas atitudes do presidente da Junta só vêm revelar "falta de preparação deste executivo e, principalmente, incompetência e falta de conhecimento da realidade física e social da freguesia".