• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Domingo, 31 Março 2019

A maturidade política num organismo partidário exige uma estratégia global para toda uma Região, e não se compadece com medidas avulsas e pouco originais, como aquela que foi apresentada ontem pela JS-Madeira, para candidatar o Funchal a ‘Capital Europeia da Juventude’.

Bruno Melim falava esta sexta-feira à margem da reunião da Comissão Política da JSD/M, que decorreu na sede da Rua dos Netos, sublinhando que as questões relacionadas com os jovens não se cingem às dificuldades sentidas no concelho do Funchal.

“Ao contrário do PS e da JS locais que têm andado alheados e de costas voltadas para as problemáticas que afetam os jovens madeirenses, a Juventude Social-Democrata tem apresentado medidas concretas para promover a igualdade e a melhoria de condições de vida dos jovens na Madeira e no Porto Santo” disse o presidente da JSD/M, sublinhando que as ideias apresentadas têm sido acolhidas e implementadas pelo Governo Regional.

Exemplificando com a moção ‘Liderar a Esperança’, aprovada no último Congresso Regional da Jota, na qual estava plasmada a possibilidade dos estudantes viajarem a 65 euros, para depois o Governo Regional anunciar – em Setembro de 2018 – o Programa Estudante Insular, Bruno Melim questionou: “Onde andou a JS a defender os jovens nessa altura? Tem a JS defendido a revisão do subsídio de mobilidade aérea que não é revisto pelo seu Governo da República há 32 meses?”

O mesmo aconteceu quando a JSD/M defendeu em Janeiro último a criação do Estatuto do Estudante Deslocado para facilitar a inscrição e o acesso aos centros de saúde em território continental e a outros serviços do Estado.

A redução do preço dos transportes terrestres na Região para todos os estudantes, de todos os níveis de ensino foi outra das bandeiras da Jota. Mais uma proposta acolhida pelo Governo de Miguel Albuquerque, que implementou a criação do passe social único para todos os madeirenses, isentando os jovens de qualquer pagamento até aos 12 anos de idade.

No que respeita ao emprego, a JSD/M apresentou o ‘Programa de Estabilidade’ a 3 anos. “Por cada jovem contratado, a entidade empregadora poderia usufruir de um incentivo fiscal progressivo ao longo dos três primeiros anos, a aplicar em qualquer outro funcionário da empresa, diminuindo assim os custos fiscais.”

Bruno Melim questiona novamente o presidente da Juventude Socialista local: “O que tem a JS a dizer acerca de propostas concretas e estratégicas que visam facilitar a vida de todos os jovens madeirenses e porto-santenses? Disse a JS Madeira alguma coisa em matéria da mobilidade dos estudantes universitários? Alguma coisa em matéria de transportes terrestres ou do emprego jovem?”

“Nada”, disse o presidente da Juventude Social-Democrata, constatando que a JS anda a reboque de outros, plagiando e mal ideias que querem fazer passar como sendo suas.

“Maturidade política é desenvolver ideias, apresentar soluções e estratégias transversais a todos os sectores para fazer face às novas realidades que os jovens enfrentam. A maturidade política não se compadece com medidas avulsas e pouco originais, que não olham a Madeira como um todo”, rematou o presidente da Comissão Política Regional da JSD/M.