• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Sexta, 15 Março 2019

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) vai reforçar os recursos humanos na Região, para dar reposta ao aumento do fluxo de solicitações por parte de emigrantes e lusodescendentes que têm regressado na Venezuela.

O anúncio foi feito esta quinta-feira pelo director do SEF na Madeira, Jorge Faustino, ao Núcleo de Emigrantes do PSD, durante uma reunião naquele Serviço.

“Fomos recibos muito simpaticamente por parte do Diretor Regional do SEF, e levantamos algumas questões e inquietudes que estão afetar os lusodescendentes que estão a regressar da Venezuela à Madeira”, resumiu no final do encontro a porta-voz do Núcleo de Emigrantes Social-democrata, Ana Bracamonte, adiantando que as respostas foram positivas.

Foi nos dito, continuou Ana Bracamonte, que o Balcão de Atendimento do SEF na Loja do Cidadão vai ser reforçado com dois funcionários que estão neste momento em formação.

“Está previsto a nível nacional a entrada de 147 novos funcionários, e nós esperamos que esse reforço tenha alguma incidência nos Serviços Regionais para diminuir, de alguma forma, a duração dos processos de obtenção de vistos de residência”, explicou a dirigente social-democrata, que apresentou um pacote de propostas a Jorge Faustino tendo em visto o melhoramento no atendimento.

A inclusão de informação em língua castelhana no site do SEF; a disponibilização ao público de flyers informativos no Balcão de Atendimento na Loja do Cidadão; e a realização de acções de esclarecimento dirigidas à população, foram algumas das propostas apresentadas, as quais foram acolhidas pelo Diretor Regional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Porque, diz Ana Bracamonte, muitos dos problemas têm origem na falta de informação disponibilizada às pessoas, que muitas vezes não conhecem os processos burocráticos.

“Reportamos também alguns problemas que algumas pessoas se deparam no atendimento do Call Center do SEF”, acrescentou, dizendo que o SEF tem conhecimento da situação. “[Foi-nos dito] que é um problema a nível nacional e estão a avaliar uma possível solução”, revelou a porta-voz do Núcleo de Emigrantes, que espera agora a concretização das propostas apresentadas.