• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Terça, 12 Março 2019

Miguel Albuquerque afirmou hoje que é preciso "combater a desinformação, o racionalismo, a mentira, o preconceito, o dramatismo e o papão da extrema direita" que a oposição está sempre a agitar para "condicionar a liberdade das pessoas de pensarem numa Europa livre e para perderem a capacidade de escrutínio que um cidadão comum tem de ter relativamente à realidade".

"O que nós não aceitamos é que os senhores, que são minorias extremistas, queiram impor o dogma do politicamente correto", afirmou, no debate mensal sobre a Cultura. 

Miguel Albuquerque salientou que ainda bem que as democracias estão a aumentar no Mundo, referindo que o problema da extrema direita é o mesmo que o da  extrema esquerda, e esta última é apoiada por deputados e partidos representados na Assembleia Regional.

Na intervenção que fez no início do debate, o presidente do Governo Regional salientou que os apoios à Cultura têm o maior valor de sempre e é uma das áreas que maior atenção têm merecido por parte do executivo, salientando que "só os cidadãos informados, capazes de compreensão e de lúcido escrutínio relativamente à realidade podem exercer em pleno os seus direitos de cidadania". São estes cidadãos, com acesso à cultura, que, na opinião de Miguel Albuquerque, "têm maior capacidade de discernimento numa sociedade em que a desinformação abunda e muitos fazem questão de manipular diariamente a verdade".

Afirmou ainda que a política seguida para o setor está assente na descentralização e diversificação cultural, como disso tem sido exemplo o apoio às instituições e agentes culturais, a promoção de eventos e a preservação do património edificado.

Neste debate intervieram vários deputados do PSD, entre eles a deputada Rubina Leal que salientou que, "na Região, a valorização do património tem sido uma das grandes apostas do Governo Regional". "Relembro que, só no orçamento da Cultura, 70% desse mesmo orçamento está a ser investido na recuperação, na conservação e no restauro do património edificado classificado”, disse.

Também a deputada Josefina Carreira salientou que a prova da aposta do Governo nesta área está no orçamento para a Cultura que quadriplicou de 2016 para 2019. Pela mesma lógica, o deputado Eduardo Jesus afirmou que "nunca o orçamento desta Região teve uma fatia tão grande como aquela que se dedica hoje à cultura".