• Capa_abril_Site-100.jpg
Notícias
  Sábado, 24 Março 2018

O Conselho Regional do PSD/Madeira congratulou-se hoje com o clima de confiança e de recuperação económica e social da Região que é resultado do trabalho desenvolvido durante os quase três anos de mandato do Governo Regional. Uma recuperação que “está patente nos principais indicadores económicos”, nomeadamente na diminuição do desemprego, que apresenta a taxa mais baixa dos últimos sete anos.

José Prada, presidente da Mesa do Conselho Regional, falava hoje no final da reunião que decorreu em Santana, louvando o desempenho do Governo no cumprimento “integral” do programa. “É o caso da ligação marítima com o continente”, disse, sublinhando que “apesar da continuidade territorial ser uma responsabilidade do Estado, o Governo continua a trabalhar para que o ferry seja uma realidade em breve.”

Lamentando o “sentimento anti-autonomista que invadiu alguns partidos da oposição” manietados pelo Governo da República, José Prada acusa essas forças políticas de quererem transformar a Madeira numa região “totalmente dependente” do centralismo do Lisboa.

“Este ressentimento contra a Autonomia, e por arrasto também contra o Governo legitimamente eleito na Região, pretende prejudicar os madeirenses, retirar-lhes capacidade de decisão e manietar-lhes as suas possibilidades de ação.”

Lisboa bloqueia “deliberadamente” questões pendentes com o Governo Central, frisou. Exemplo disso é o Novo Hospital que, apesar da promessa, continua sem “um único euro inscrito nos Orçamentos de Estado”, a não devolução da sobretaxa do IRS, a dívida dos subsistemas de saúde e o adiamento da revisão do subsídio de mobilidade.

Perante estes assuntos que prejudicam todos os madeirenses, o PS-Madeira remete-se ao silêncio. “Não se encontra uma única palavra do PS local”, que sendo da mesma cor política do Governo nacional, “não está interessado em ajudar a Madeira.”

Por isso, o Conselho Regional enalteceu o papel dos deputados social-democratas, quer na Região, quer na República, que “diariamente procuram as melhores soluções para os problemas que atingem a Região”, notando que outras forças políticas estejam mais dedicadas a destruir do que a construir.

O Conselho Regional considerou lamentável que o Estado português continue a atrasar os pagamentos dos beneficiários regionais da ADSE, uma “situação intolerável”, com “claros e repudiáveis intuitos políticos”, exigindo que a República proceda aos pagamentos tal como acontece no resto do País.

A nível interno, o Conselho Regional enalteceu as novas iniciativas do Partido que reforçam a política de proximidade com as populações e militantes, apoiando e elogiando o ‘Compromisso Madeira’. “Um novo projecto do PSD que pretende ouvir a sociedade civil, fazer o balanço do cumprimento do Programa de Governo, recolher contributos para o futuro Programa de Governo e mobilizar e preparar o Partido para os desafios eleitorais que se avizinham, conjugando esforços entre todos”, estando a primeira sessão marcada para o dia 6 de Abril, às 18h30, no Fórum Machico.

“Por fim, uma menção para a Festa do Chão da Lagoa a 29 de Julho, para o Congresso da JSD a 28 e 29 de Abril, e para o Congresso da ARASD a 16 de Junho”, concluiu o porta-voz.

Conclusões