• Capa_abril_Site-100.jpg
Notícias
  Quinta, 21 Setembro 2017

A candidata do PSD à Câmara Municipal do Funchal, Rubina Leal, notou ontem à noite em Santo António que o atual executivo autárquico prefere cuidar da imagem do que da Cidade.

“Se cuidassem da cidade como cuidam da sua imagem, isto estava num brinquinho”, disse Rubina Leal durante um Encontro de Campanha que decorreu no Bairro das Romeiras, deixando vários exemplos.

“Gostava que olhassem para o estado das nossas ruas. Que olhassem para o investimento que foi feito na nossa Cidade. Gostava que olhassem para os nossos parques e para os nossos jardins”, pediu a candidata social-democrata, questionando: “Quantos prédios foram reabilitados? De quantos prédios foi retirado o amianto? Quantos bombeiros entraram na nossa corporação? Quantas viaturas entraram para essa corporação? Quantos carros para o lixo foram adquiridos?”

A todas as perguntas, a resposta é “zero”, e é por isso que no dia 1 de outubro é preciso mudar. Mas mudar para melhor. “Não é esta a Câmara que nós queremos. Não é esta a cidade que nos queremos. Temos que ter obras e ação, não anúncios, propaganda e palavras vãs”, disse Rubina Leal, lembrando que sabe o que é preciso para gerir uma Câmara.

“Sei o que é estar numa Câmara. Sei que com trabalho, dedicação e proximidade nós chegamos lá”, disse recordando com “orgulho” a obra que realizou durante os anos em que foi vereadora no Funchal. “Não há um bairro que eu não conheça nesta cidade, não há um centro comunitário que eu não conheça. Todos os centros comunitários foram abertos na minha passagem pela CMF”, disse a candidata social-democrata, explicando que as políticas sociais vão ser o centro do seu mandato na autarquia.

“Uma das bolsas de terrenos será criada aqui mesmo nas Romeiras para ajudar a fixar os nossos jovens no Funchal”, disse, elencando outras propostas que “irá cumprir”: a devolução de rendimentos às famílias, através dos 4,7 milhões de euros de IRS que a Câmara tem retido nos últimos quatro anos; a criação do Fundo Municipal de Solidariedade para ajudar quem mais precisa, “não todos como alguns andam a prometer”; o alargamento do apoio ao transporte escolar ao 2.º ciclo; apoio aos idosos, através de ajuda para compra de medicamentos e a acompanhamento domiciliário e a criação de bolsa de terrenos para que os jovens possam construir habitação própria e se fixem nos Funchal.

Durante a intervenção, e depois de elogiar a capacidade de trabalho e o empenho de Rui Santos, presidente da Junta de Freguesia de Santo António e candidato pelo PSD a novo mandato, Rubina Leal voltou a questionar o “corte indiscriminado e abate de árvores” que a Câmara está a realizar. “Depois da tragédia do Monte é que estão a abater as arvores”, observou, perguntando qual é o critério para as intervenções que estão a ser feitas, e quem as vai pagar.

Sobre Santo António, Rubina Leal afirmou o seu compromisso  com a freguesia, anunciando a requalificação do centro de Santo António, para uma maior fluidez do trânsito, bem como a construção do passeio pedonal até São Martinho.