• banner-02.jpg
  • bannerNewsPSD8dez.jpg
  • bannerSitePSDMconclusoes.jpg
  • bannerSitePSDM23mar2018rui.jpg

O grupo parlamentar do PSD considera que o Orçamento Regional para 2019 tem uma componente social relevante, sendo essencialmente "virado para as pessoas" e pensado para "aligeirar" os custos e "facilitar a vida de toda a população da Região Autónoma da Madeira".

Numa conferência de imprensa realizada junto à estação de autocarros de Machico, o deputado Eduardo Jesus salientou que é com esse "espírito" de facilitar a vida das pessoas que surgiram as medidas relacionadas com os passes sociais.

"É o culminar de um trabalho que o Governo vem desenvolvendo desde o início deste mandato, em 2015, aprovando, primeiro, o PIETRAM (Plano  Integrado e Estratégico para os Transportes da Região) e que permitiu, além de redesenhar toda a rede de transporte público, agir sobre o preço dos bilhetes."

Uma das medidas apresentadas para 2019 é o passe social, num valor de 30 euros em zona urbana e de 40 euros na zona interurbana.

Ou seja, salientou Eduardo Jesus, quando nalgumas situações o valor do passe era de 130 euros, passa agora a ser reduzido para os 40 euros. "É uma redução significativa e que mexe no bolso das pessoas", afirmou o deputado, acrescentando, que acima de tudo, esta medida vai permitir "mais rendimento disponível para essas famílias para puderem consumir de forma diferenciada".

Acresce a este facto a gratuitidade do transporte público até aos 12 anos.

Eduardo Jesus sublinhou ainda que esta medida está integrada também numa outra: o passe Sub 23, para estudantes universitários, já implementada em 2018, que concede uma redução de 25% no valor total do passe para estudantes não bolseiros e de 60% para os bolseiros. Assim, no espaço interurbano, os estudantes não bolseiros com passe Sub 23 passam a pagar 30 euros e os do espaço urbano 22,5 euros. Já os estudantes com apoio social, passar a pagar 16 euros nas deslocações interurbanas.

O deputado adiantou ainda que se trata de esforço financeiro anual da parte do Governo na ordem dos seis milhões de euros e que abrange cerca de 9.600 pessoas que adquirem o passe interurbano e 17.500 o passe dentro do Funchal.