• banner2018.jpg
  • bannerSItePSDMconselhoOut2017_5.jpg
  • bannerSItePSDMconselhoOut2017_1.jpg

O Secretário-Geral do PSD Madeira afirmou hoje que "o sucesso da Festa do Chão da Lagoa provocou uma alergia desmesurada em alguns setores políticos", referindo-se à reação do líder socialista, Carlos Pereira, à festa social-democrata. Para Rui Abreu, "de facto, juntar 20 mil madeirenses nesta grande festa popular é um marco gerador de alguma inveja, o que é compreensível".

Num comunicado dirigido aos órgãos de comunicação social, Rui Abreu deixa bem claro que "o PSD/Madeira convida quem muito bem entende para os seus eventos", sendo, por isso, "com naturalidade que recebeu o seu líder nacional, vencedor das últimas duas eleições legislativas nacionais, e ex-primeiro-ministro que tirou Portugal da lama em que o Eng.º. Sócrates, um dos gurus políticos dos socialistas, o havia deixado". "Foi o governo liderado pelo Dr. Passos Coelho que devolveu a confiança aos portugueses e a credibilidade externa que o país tanto precisava", lembrou.

O Secretário-Geral relembra também que o mandato deste Governo Regional é de 4 anos e meio e que só termina em outubro de 2019. "Até lá, o Dr. Pereira tem mais do que tempo para fazer verdadeiros balanços à atividade governativa e ao que o governo do PSD/Madeira prometeu e realizou", disse.

No entando, Rui Abreu espera que o líder socialista "também o faça, com igual humildade, relativamente aos pálidos indicadores económicos que colocam o país mais próximo de uma nova derrocada do que do cumprimento das promessas eleitorais feitas pelo líder do PS em campanha recente".

Além disso, e pegando na “desonra” aludida na notícia em que Carlos Pereira tece críticas à festa do PSD-M, Rui Abreu salienta que, "por certo refere-se a uma outra notícia publicada hoje, esta na página 9 do Diário de Notícias da Madeira, sob o título “Estado fecha portas a mais fundos europeus RAM”, onde se elucida o modo como o líder socialista local tentou ludibriar toda a gente com 800 milhões de euros “extra” de fundos europeus que ele garantia estarem ali à mão de semear, uma mentira – mais uma – exposta, não apenas pela realidade, como também pela “farinha do mesmo saco”, perdão, por Secretários de Estado do próprio governo que o Dr. Pereira apoia".