• bannerSitePSDM19abr2018.jpg
  • bannerSitePSDM1Bmai2018.jpg
  • bannerSitePSDM23mar2018rui.jpg
  • bannerSitePSDM19mar2018.jpg
  • topofaceCompromissoMadeira2018

Na sequência de uma notícia publicada na página 4 do Diário de Notícias, do dia 06 de julho, com o título “Cristo Rei restaurado com apoios privados”, os veradores e deputados municipais do PSD/Santa Cruz esclarecem que as obras do Cristo do Rei nunca receberam o apoio do Governo, nem agora, nem no passado.

De acordo com os autarcas, em 2003, o Cristo-Rei sofreu uma primeira intervenção para reparo da face, tendo este trabalho sido realizado pela empresa Lourenço, Simões & Reis, Lda.

Em 2004, esta mesma empresa procedeu a uma nova recuperação do monumento após a vandalização do mesmo, cujo valor atingiu os 4000 euros (+IVA). Esta firma era a única que, nesta época, tinha capacidade para fazer este tipo de intervenção, de acordo com as informações que a Direção Regional dos Assuntos Culturais de então prestou à Câmara de Santa Cruz.

Os autarcas referem que, "em nenhuma das situações descritas, foi o Governo Regional a entidade que pagou estes trabalhos de restauro, mas sim a Câmara Municipal de Santa Cruz". Logo, sustentam, "é falso que o Governo Regional alguma vez tenha assumido estes encargos como erradamente afirma o autarca Filipe Sousa, como consta da ata do dia 21.01.2004 em que foi aprovada e deliberada a adjudicação dos trabalhos de restauro"

"O PSD/Santa Cruz lamenta, assim, e uma vez mais, que o executivo do partido JPP insista na mentira deliberada – mais uma numa lista que começa a ser demasiado extensa – e que apenas serve para desviar as atenções daquilo que é realmente importante para o Concelho", refere a nota dos autarcas do PSD, dirigida ao Diário de Notícias,

Os vereadores e deputados municipais acrescentam que "esta lógica de confronto permanente com o Governo Regional não tem por objetivo procurar verdadeiros compromissos e soluções para a população de Santa Cruz, mas sim disfarçar as naturais limitações que este autarca do partido JPP diariamente revela", sublinhando que "não deixa de ser curioso que existam 600 mil euros para pagar a escritórios de advogados, ao mesmo tempo que se faz um peditório para arranjar 6 mil euros para restaurar um monumento que é um ícone do nosso Concelho".